Mercado abrirá em 3 h 30 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,29
    +0,84 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.742,30
    -9,70 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    41.998,68
    -2.037,36 (-4,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.042,56
    -58,96 (-5,35%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.040,52
    -22,88 (-0,32%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    15.021,00
    -173,75 (-1,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2839
    -0,0229 (-0,36%)
     

Quem é Maurício Borges, passador de confiança da seleção brasileira de vôlei

·4 minuto de leitura
TÓQUIO, TO - 27.07.2021: OLIMPÍADA TÓQUIO 2020 TÓQUIO - Mauricio Borges do Brasil durante o jogo do volei masculino entre Brasil e Argentina. O jogo realizada na Arena Ariake no Toquio, Japao. (Foto: Richard Callis /Fotoarena/Folhapress)
TÓQUIO, TO - 27.07.2021: OLIMPÍADA TÓQUIO 2020 TÓQUIO - Mauricio Borges do Brasil durante o jogo do volei masculino entre Brasil e Argentina. O jogo realizada na Arena Ariake no Toquio, Japao. (Foto: Richard Callis /Fotoarena/Folhapress)

MACEIÓ, AL (FOLHAPRESS) - Quando foi campeão olímpico no Rio, em 2016, o ponteiro da seleção brasileira de vôlei Maurício Borges mal conseguiu desfilar com a medalha de ouro no peito. No pós-título, esteve o tempo todo se comunicando com sua mulher, grávida, que ficou em Maceió e sentia dores. Ela iria para o hospital.

Maurício voltou para a Vila Olímpica correndo, pegou suas coisas e foi ao aeroporto. Fabianny já estava para ser atendida. Na dúvida se a filha Valentina nasceria em sua ausência, ele embarcou. Ao chegar a Alagoas, veio a surpresa: foi a própria Fabianny quem o recebeu.

"Imagina, cara... Eu fui todo preocupado, não aproveitei a festa nem nada, e ela me buscou no aeroporto", contou, aos risos, em entrevista à reportagem.

"Acho que essa é a história mais inusitada que eu tenho na carreira. Pensei que ia ser pai e campeão olímpico na mesma hora, mas a Valentina só nasceu uma semana depois."

Nas Olimpíadas de Tóquio, Borges, 32, tornou-se tornou uma das peças mais confiáveis do banco de Renan Dal Zotto. Quando o Brasil sente a necessidade de um passe melhor na defesa, o alagoano entra em quadra e toma conta do fundo, auxiliando o líbero Thales a construir jogadas com maior assertividade.

Na vitória sobre os Estados Unidos por 3 a 1, a seleção brasileira começou mal. Sob pressão, Renan investiu na tática que já vinha funcionando nos outros jogos e tirou Leal, dando lugar ao alagoano.

O ponteiro trouxe segurança e ajudou o time a retomar a liderança no placar. Embora tenha perdido o set, o Brasil se recuperou e venceu a partida.

O próximo jogo da equipe será no sábado (31), contra a França, às 23h05 (de Brasília). A TV Globo e o SporTV transmitem. Será a última partida da primeira fase. Com três vitórias e uma derrota, o Brasil é o vice-líder do Grupo B, com oito pontos. A liderança pertence ao Comitê Olímpico Russo.

O interesse de Maurício Borges pelo vôlei nasceu em casa. Sua mãe, Marilda, conheceu o esporte aos 17, aos 21 foi mãe de Everthon (seis anos mais velho do que o ponteiro) e continuou jogando. Os filhos foram seus alunos e se profissionalizaram.

No caminho para uma carreira vitoriosa, o único nordestino da seleção masculina atual tinha um ritmo frenético: estudava pela manhã no colégio Marista, almoçava por lá, treinava com o time da escola e depois emendava três treinos consecutivos no CRB, nas categorias infantil, infanto-juvenil e adulto.

"Eu sempre gostei muito. Só me imaginava jogando vôlei. Quando eu tinha 14 anos, fomos para Belo Horizonte, e fiz um teste. Passei no primeiro dia. Foi difícil. Pela saudade, eu queria voltar para casa. Havia uma rotatividade de atletas, e eu fazia poucas amizades, mas resolvi ficar e ainda bem que fiz isso", diz.

Quem hoje vê Maurício aparecendo nas publicações no Instagram de seu companheiro de seleção Douglas Souza, sabe que ele é tímido. Apelidado de "Jorges" pelo colega, o alagoano de fala tranquila entende a sua representatividade.

"Ainda são poucos nordestinos no esporte em geral. Falta um trabalho melhor a esses atletas, porque há muito talento. Mas, pela falta de apoio, é necessário sair da nossa região e tentar em outro canto do país", observa.

Foi justamente pela capacidade de influenciar pessoas por meio do esporte que Maurício tomou uma decisão desde que voltou a jogar durante a pandemia do novo coronavírus: usar máscara para se proteger e também para ajudar a conscientizar sobre a necessidade dela. O central Lucão é outro da equipe nacional que utiliza a proteção.

"Acho que já entrei em quadra sem máscara, sim, mas me atentei para a necessidade de mostrar que devemos usá-la. Muitas pessoas morreram por conta do vírus, é muito preocupante. Vou usá-la até que nós, enquanto população, tenhamos segurança."

A Covid-19 atingiu diretamente a seleção brasileira. Técnico do grupo, Renan dal Zotto passou 36 dias internado e foi levado à UTI. Por isso, não esteve com o elenco na Itália, para a disputa da Liga das Nações, vencida pelo Brasil.

Borges é apegado às suas raizes. Sempre leva uma bandeira de Alagoas e a pendura no quarto em que fica concentrado. Ele foi o primeiro atleta do estado a conquistar uma medalha de ouro em Olimpíadas. No Rio de Janeiro, o jogador chegou ao topo após uma série de dificuldades.

"Eu cheguei a jogar pela seleção B um pouco antes, era uma das últimas opções. Reconquistei o meu espaço e consegui a vaga para a Olimpíada. Foi uma pressão muito grande, mas meus amigos foram me ver, meus pais foram me ver. Tive uma torcida muito grande."

Com o adiamento de Tóquio-2020 por causa da pandemia, Maurício passou um período em Maceió junto aos filhos, à esposa, ao irmão e aos pais. Foram férias forçadas, mas cheias de treinamento, que o alçaram ao título da Superliga e ao posto de MVP (melhor jogador) da última temporada, pelo Taubaté.

Agora, para ele, falta o bicampeonato olímpico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos