Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    49.220,86
    +2.213,81 (+4,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Quem é Guillermo Lasso, presidente do Equador que declarou estado de exceção

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Guillermo Lasso, presidente do Equador, declarou estado de exceção, com a justificativa de combate à violência e ao tráfico de drogas no país. Assim, os militares equatorianos passam a ter uma proteção especial, ou imunidade, para atuarem sem risco de serem processados por suas ações.

O estado de exceção, que vale por 60 dias no território nacional e com ênfase em províncias com maior índice criminal, gera pressão pela aprovação de reformas governistas. O contexto atual envolve a oposição ameaçando destituir Lasso, e o presidente advertindo que poderá dissolver o Parlamento.

Mas quem é Guillermo Lasso? Até ano passado, ele era conhecido por suas tentativas de chegar à presidência do país. Lasso é conhecido por sua postura conservadora na política e integra o movimento de direita no Equador. A posse, em maio deste ano, contou com a presença do presidente brasileiro Jair Bolsonaro (sem partido).

O agora presidente ocupou outros cargos públicos e fez carreira como banqueiro, sendo um dos homens mais ricos do Equador.

Depósitos em offshores

Apesar de vir de uma família de classe alta, a fortuna de Lasso é atribuída, pelo menos em parte, a seus depósitos em offshores, ou seja, empresas fora do país de origem e localizadas em paraísos fiscais.

No início do mês, o nome do atual presidente equatoriano surgiu na investigação Pandora Papers, do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), cujos parceiros no Brasil são a revista Piauí e o site Poder360.

A apuração apontou que Lasso inativou 10 de suas 14 offshores —ele nega ter relação ou receber benefícios das outras contas. "Sempre cumpri a lei equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de manter empresas offshore, como indiquei em minhas declarações juramentadas", respondeu Lasso, em uma carta enviada pelo ICIJ.

Em uma reportagem de 2017, o jornal argentino Página 12 afirmou ter obtido informações indicando que Lasso estaria ligado a 49 contas offshore. Além disso, os dados mostrariam que entre 1999 e 2000 a fortuna do agora presidente passou de US$ 1 milhão para US$ 31 milhões declarados.

Aumento de tensões

Apesar de ter sido eleito recentemente, o governo Lasso já causa grandes tensões no país. O presidente tem ameaçado o Parlamento com um instrumento previsto na Constituição de 2008 chamado de "morte cruzada". Assim, caso os opositores se coloquem contra as reformas que deseja passar, ele poderá dissolver o Parlamento.

Caso chegue a esse ponto, o Conselho Nacional Eleitoral deverá realizar novas eleições gerais, inclusive para presidente. Mas até o novo pleito ser organizado, Lasso seguiria governando o Equador.

Bolsonaro esteve na posse de Lasso

Lasso concorreu à presidência do Equador em 2013, 2017 e 2021, saindo vitorioso apenas da última vez. Ele tentou o pleito pelo Movimento CREO (Criando Oportunidades), do qual é fundador e presidente.

A posse, em maio deste ano, contou com a presença de Bolsonaro. Na época, chamou a atenção o fato de o presidente brasileiro ter respeitado os protocolos sanitários em meio à pandemia da covid-19 e ter utilizado máscara de proteção individual, o que não era visto e ainda é raro durante as aparições dele no Brasil.

Antes de alcançar a presidência do país amazônico, Lasso foi governador de Guayas entre 1998 e 1999. Logo depois, se tornou Ministro de Economia e Energia. Em 2003, assumiu o cargo de Embaixador Itinerante do Equador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos