Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.923,82
    -4,68 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Quem é Enedina Alves Marques, a brasileira homenageada pelo Google hoje (13)

Hoje (13), o Google homenageia o 110° aniversário da primeira engenheira negra do Brasil, a paranaense Enedina Alves Marques. A profissional se formou em 1940 pela Universidade Federal do Paraná, superando todos os obstáculos e assédios cometidos por professores e colegas na época.

Nascida em Curitiba, Paraná, em 13 de janeiro de 1913, ela trabalhou como empregada doméstica e babá da família do delegado e major Domingos Nascimento Sobrinho. O chefe bancou os estudos de Enedina Alves em colégios particulares para ela acompanhar sua filha.

Enedina Marques Alves foi a primeira pessoa negra a se tornar engenheira no Brasil e primeira engenheira mulher no Paraná (Imagem: Reprodução/Google)
Enedina Marques Alves foi a primeira pessoa negra a se tornar engenheira no Brasil e primeira engenheira mulher no Paraná (Imagem: Reprodução/Google)

Quando se formou, Enedina Alves começou a carreira na Secretaria Estadual de Transportes e Obras Públicas como auxiliar de engenharia, quando colocou seus conhecimentos em prática. Depois disso, foi transferida para o Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica, trabalhando no Plano Hidrelétrico do estado e gerenciando o aproveitamento de água dos rios Capivari, Cachoeira e Iguaçu.

Segundo o designer Luiz Renato Roble, Enedina Alves era conhecida por usar macacão no ambiente de trabalho e por sempre carregar uma arma na cintura. A engenheira dava tiros para o alto para se fazer ser ouvida entre os homens que trabalhavam na área.

Contribuição com hidrelétricas

O trabalho de Enedina Alves foi contribuir com a construção da Usina Hidrelétrica do Paraná nos rios da região — entre as unidades, a Usina Capivari-Cachoeira, a maior hidrelétrica subterrânea.

A engenheira teve suas contribuições para o Paraná e para a engenharia reconhecidas no Memorial à Mulher, onde seu nome está gravado ao lado de outras 53 mulheres. Há uma rua em Curitiba que leva o nome da engenheira e, em 2006, foi inaugurado o Instituto de Mulheres Negras Enedina Alves Marques em Maringá (PR), responsável pela organização de palestras, seminários e outros eventos que discutem a participação da mulher negra na sociedade e no mercado de trabalho.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: