Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,31
    -0,98 (-1,30%)
     
  • OURO

    1.736,80
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    41.724,00
    -786,32 (-1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,95
    -27,20 (-2,57%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.318,94
    -181,45 (-0,74%)
     
  • NIKKEI

    29.417,20
    -766,76 (-2,54%)
     
  • NASDAQ

    14.833,50
    +68,75 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3443
    +0,0017 (+0,03%)
     

Queiroga anuncia data para 3ª dose da vacina da COVID em grupos prioritários

·1 minuto de leitura

Em meio à vacinação contra a COVID-19, a possibilidade da terceira dose já tem vindo à tona. E nesta quarta (25), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que esse reforço passará a ser aplicado em idosos entre 70 e 80 anos e em imunossuprimidos a partir do dia 15 de setembro.

Na prática, todos os imunossuprimidos que já tomaram a segunda dose da vacina há 21 dias poderão tomar o reforço. Mas no que diz respeito ao público idoso, a segunda dose deve ter sido aplicada há mais de seis meses. De acordo com o anúncio do ministro, a vacina usada para a dose de reforço será a da Pfizer.

Queiroga anuncia terceira dose da vacina em idosos e imunossuprimidos em setembro (Imagem: FabrikaPhoto/Envato Elements)
Queiroga anuncia terceira dose da vacina em idosos e imunossuprimidos em setembro (Imagem: FabrikaPhoto/Envato Elements)

O dia 15 de setembro não foi escolhido aleatoriamente. Acontece que, até lá, toda a população acima de 18 anos no Brasil já terá tomado pelo menos a primeira dose. A data ainda coincide com o início da redução do intervalo entre as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca, de 12 para oito semanas.

Segundo Queiroga, a decisão foi tomada por temor à variante Delta do coronavírus, considerando que algumas análises já mostraram que a primeira dose das vacinas tem eficácia reduzida diante da infecção da variante em questão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos