Mercado abrirá em 7 h 14 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,55
    +0,28 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.870,30
    +2,70 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    45.410,00
    +2.843,03 (+6,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.264,92
    +67,00 (+5,59%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.547,33
    +353,24 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.476,37
    +651,54 (+2,34%)
     
  • NASDAQ

    13.382,50
    +79,00 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4173
    +0,0074 (+0,12%)
     

Queiroga afirma que não faltará vacina para população que já tomou a primeira dose

Evelin Azevedo
·2 minuto de leitura

RIO — O ministro da Saúde Marcelo Queiroga afirmou na noite desta segunda-feira que não faltarão vacinas para quem já tomou a primeira dose dos imunizantes contra a Covid-19. O cardiologista aproveitou para pedir que a população que já tomou a dose inicial não deixe de completar o esquema vacinal, o que garante a proteção observada nos estudos científicos. De acordo com o ministro, mais de 500 mil brasieiros não voltaram para tomar a segunda dose.

— Não faltarão vacinas dentro do contexto que temos hoje, porque só neste mês de abril, nós temos assegurados 30 milhões de doses — disse Queiroga, sem detalhar o cronograma de entregas de imunizantes ao Programa Nacional de Imunizações.

As declarações foram dadas no programa Sem Censura, da TV Brasil, em resposta a um questionamento sobre a preocupação de governadores com a possível falta de vacinas para a aplicação da segunda dose em pessoas que já foram imunizadas com a primeira.

Questionado sobre qual teria sido o principal erro do Brasil na condução da pandemia, Queiroga culpou a "desarmonia".

— Vamos procurar harmonizar a população brasileira com o objetivo de unir as pessoas entorno do fim desta pandemia.

O ministro da Saúde afirmou que o Brasil "não pode ser um país apenas um exportador commodities", e que é necessário investir em pesquisa e nos complexos industriais de saúde para que "tenhamos mais condições de enfrentar situações como esta (da pandemia)".

'Estou mais preocupado com CTI do que com CPI'

Queiroga foi questionado se a instauração da CPI da Pandemia — cujo objetivo é investigar se o governo Jair Bolsonaro cometeu omissões no combate à pandemia do novo coronavírus — poderia atrapalhar o trabalho dele a frente do ministério da Saúde.

— Estou mais preocupado com CTI do que com CPI. Essa questão de Comissão Parlamentar de Inquérito é com o Congresso Nacional e não com o Ministério da Saúde. O ministério não cuida de política na saúde, mas de política de saúde — disse o ministro. — Se for o caso, vamos prestar os esclarecimentos devidos para que fique claro o que tem sido feito no ministério da Saúde.

O ministro da Saúde também respondeu ao questionamento sobre os testes de Covid-19 que estão próximos do vencimento da validade e que ainda não foram distribuídos. O cardiologista explicou que havia necessidade de adquirir um alguns insumos complementares aos exames — que foram conseguidos com a iniciativa privada — e que em breve os testes são distribuídos aos estados. Nesta segunda-feira, o TCU determinou que a pasta dê destino a testes de Covid prestes a vencer.