Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    43.666,30
    -3.398,21 (-7,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7636
    +0,0247 (+0,37%)
     

Queda no mercado de celulares em 2020 foi de 12,5%, indica novo estudo

Diego Sousa
·1 minuto de leitura

Um novo relatório, desta vez publicado pela consultoria Gartner, nesta segunda-feira (22), revelou que as fabricantes venderam cerca de 200 milhões de celulares a menos em 2020, o que representa uma queda de 12,5% em relação a 2019. Há algumas semanas, pesquisa realizada pela IDC também identificou retração no setor, mas "apenas" 5,9%.

No total, segundo a Gartner, foram vendidos pouco mais de 1,3 bilhão de aparelhos entre janeiro e dezembro, contra aproximadamente 1,5 bilhão no mesmo período de 2019. Huawei e Samsung foram as marcas que representaram as maiores quedas, 24,1% e 14,6% respectivamente, embora tenham dividido o pódio ao lado da Apple.

Por falar na Maçã, o lançamento do primeiro iPhone com 5G e do iPhone SE (2020), este último no auge da pandemia, foram os principais impulsionadores para os resultados positivos da companhia em 2020 — no último trimestre do ano passado, inclusive, a Apple ultrapassou a Samsung no mercado com certa folga.

Outra fabricante que registrou ótimos números foi a Xiaomi. Aproveitando-se das sanções contra a sua compatriota Huawei, a marca chinesa foi quem mais cresceu em 2020, segundo o relatório, com 15,7%. A fabricante terminou o ano com 10,8% de participação no mercado, quase alcançando o terceiro lugar entre as maiores empresas do setor.

(Imagem: Reprodução/Gartner)
(Imagem: Reprodução/Gartner)

Previsão para 2021

Para 2021, a previsão é de que tanto smartphones 5G de baixo custo quanto modelos com recursos inovadores sejam fatores decisivos para os usuários trocarem de celular. No ano passado, já foi possível observar a expansão de aparelhos com a nova rede móvel no mercado chinês. Agora espera-se um crescimento nas vendas de celulares acessíveis com a tecnologia nos mercados ocidentais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: