Mercado fechará em 4 h 29 min
  • BOVESPA

    100.853,77
    +2.181,52 (+2,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.929,87
    +188,37 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,35
    +1,73 (+1,61%)
     
  • OURO

    1.823,20
    -7,10 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    20.751,82
    -493,96 (-2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,81
    -9,98 (-2,16%)
     
  • S&P500

    3.920,74
    +9,00 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    31.563,32
    +62,64 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.265,27
    +56,46 (+0,78%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.119,00
    -21,50 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5254
    -0,0270 (-0,49%)
     

Queda do Bitcoin faz buscas baterem recordes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Pesquisa e estudo sobre Bitcoin Conhecimentos
Pesquisa e estudo sobre Bitcoin Conhecimentos

A recente queda do Bitcoin parece estar chamando a atenção das pessoas. Segundo dados do Google Trends, estamos no período com o maior número de buscas pelo termo “Bitcoin” dos últimos 12 meses, tanto no Brasil quanto em todo o mundo.

Embora seja difícil estimar os motivos das pesquisas, é interessante notar que diversos críticos voltaram a falar sobre o Bitcoin neste mês. Dentre eles, Nassim Taleb, Jorge Stolfi e Peter Schiff completam o time de “haters”.

Contudo, a queda também pode estar atraindo investidores que estavam esperando pelo melhor momento para acumular mais satoshis. Alguns deles chegaram a comemorar o que tem sido motivo de tristeza para aqueles que compraram BTC no topo.

Preço cai, buscas sobre Bitcoin explodem

Enquanto o Bitcoin foi motivo de destaque em 2021 por atingir os 69 mil dólares após o IPO da Coinbase e compras bilionárias pela Tesla de Elon Musk e MicroStrategy de Michael Saylor, o ano de 2022 é um tanto diferente.

Com uma queda de 70% desde seu topo histórico, e 35% apenas neste mês de junho, o Bitcoin voltou a atrair a atenção de críticos, investidores e até mesmo legisladores que buscam maneiras de regular o mercado de criptomoedas.

Com isso, as buscas pelo termo “Bitcoin” bateram recordes nas últimas semanas. Segundo dados do Google Trends, estamos no período com o maior número de pesquisas dos últimos 12 meses.

Como destaque, El Salvador, país que legalizou o Bitcoin no ano passado, segue liderando em termos de popularidade, seguido pelos Países Baixos e Nigéria. Já o Brasil aparece na 26.ª colocação.

Embora os motivos sejam os mais variados, dois grupos podem ter grande influência neste recorde. O primeiro deles são os críticos, que só aparecem quando o Bitcoin cai, o segundo são investidores que estão aproveitando o momento para acumular mais satoshis em suas carteiras.

Bitcoin está morto?

Embora tenha perdido 70% de seu valor nos últimos sete meses, o Bitcoin ainda é o 20.º maior ativo do mundo. Com um valor de mercado de 2 trilhões de reais, o BTC segue colado em empresas como Visa e NVIDIA, bem como é maior que outras gigantes como ExxonMobil, Walmart e JPMorgan.

Valor de mercado do Bitcoin, em comparação com outras empresas e ativos.
Valor de mercado do Bitcoin, em comparação com outras empresas e ativos.

Portanto, embora os céticos odeiem isso, o Bitcoin está vivo como sempre esteve, registrando transações em novos blocos criados, como faz desde a sua criação em 2009. Quanto ao seu preço, correções maiores já ocorreram no passado, o que não assusta investidores mais antigos.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos