Mercado abrirá em 5 h 51 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,19
    -0,43 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.831,80
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    39.839,41
    -226,81 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    946,88
    +16,52 (+1,78%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.078,42
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    25.832,77
    -482,55 (-1,83%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.840,25
    -197,50 (-1,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0237
    -0,0168 (-0,28%)
     

Quebra na 2ª safra reduz produção de milho 20/21 do Brasil a 93,9 mi t, apontam analistas

·3 minuto de leitura
Produtor no meio de lavoura de milho

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) - Marcada por um plantio atrasado e seca, a segunda safra de milho 2020/21 caminha para uma importante quebra que reduziu o potencial da produção total do cereal no Brasil a 93,93 milhões de toneladas, conforme pesquisa da Reuters publicada nesta terça-feira.

A projeção, com base nas avaliações de dez especialistas, também fica 8,43% abaixo do volume colhido no ano passado. Dados do governo mostram que o país produziu 102,58 milhões de toneladas em 2019/20.

Em abril, levantamento realizado pela Reuters com 11 analistas ainda indicava a possibilidade de um recorde para o milho nesta temporada, acima de 107 milhões de toneladas, mas a estiagem persistiu ao longo de maio e resultou em mais perdas para a "safrinha".

"É basicamente a seca na safrinha e quebras", disse o analista da Safras & Mercado Paulo Molinari sobre o motivo para a revisão das projeções da consultoria.

Ele lembrou que a produção da segunda safra de milho chegou a ser estimada inicialmente em 84 milhões de toneladas e, atualmente, caiu para 70,78 milhões.

Neste cenário, a analista da Céleres Daniely Santos disse que a consultoria rebaixou a previsão de exportações de milho do Brasil --de 32 milhões para 22,5 milhões de toneladas-- e acredita em um forte avanço nas importações, estimadas em 4 milhões de toneladas.

Dados do governo federal indicam que o Brasil comprou somente 1,37 milhão de toneladas do cereal no ano passado.

Isso significa que, se a projeção da Céleres for confirmada, as importações podem mais que dobrar em 2021 dada a firme demanda interna, principalmente pela indústria de carnes.

"Em relação ao consumo interno não reduzimos a estimativa, que segue em 74 milhões de toneladas", disse Daniely.

Na última quinta-feira, o órgão de biossegurança CTNBio publicou a resolução normativa 32 que aprova sincronia de eventos transgênicos autorizados no Brasil e no exterior, trazendo segurança jurídica para o país importar soja e milho.

O analista da IHS Markit Gabriel Faleiros avalia que a decisão que permite a entrada de trasgênicos deve impulsionar as compras da região Nordeste, com importadores trazendo o grão vindo dos Estados Unidos.

"Você tem a queda em Chicago e a queda do dólar que fica mais barato trazer esse milho de fora. Houve algum período, há cerca de duas semanas, que já estava mais atrativo (para o Nordeste) importar do que trazer de Mato Grosso ou do (oeste) da Bahia."

No entanto, como a colheita da safrinha se aproxima, Faleiros acredita que estas importações devem se concentrar no final do ano, para complementar a oferta nacional.

CLIMA

Se as lavouras de milho do Paraná e Mato Grosso do Sul foram castigadas pela seca, as previsões climáticas indicam que elas podem escapas do frio excessivo. O meteorologista da Somar Celso Oliveira afirmou que não há previsão de geadas pelos próximos 15 dias.

"Com a chuva das últimas semanas, a umidade do solo está adequada para o desenvolvimento agrícola no Paraná e no centro e sul de Mato Grosso do Sul... Ainda tem uma grande parte das áreas em enchimento de grão nos dois Estados e são elas que são importantes monitorarmos até a maturação."

Já em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, o tempo permanecerá seco, mantendo a falta de umidade no solo, disse Oliveira. "Então, não há expectativa de melhora. Eventuais áreas que ainda passarão por florada e enchimento de grão sentirão déficit hídrico e devem ter uma baixa produtividade", estimou.

(Por Nayara Figueiredo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos