Mercado abrirá em 23 mins
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,98
    +2,80 (+4,23%)
     
  • OURO

    1.787,60
    +11,10 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    57.043,98
    -300,48 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.467,24
    +24,47 (+1,70%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.149,85
    +90,40 (+1,28%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.366,25
    +215,75 (+1,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3907
    +0,0207 (+0,32%)
     

Quebra da safra do milho derruba lucro da Rumo em 70%

·1 min de leitura

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A Rumo, companhia de logística da Cosan, teve forte queda do lucro no terceiro trimestre, com a quebra na safra de milho pressionando os volumes transportados, enquanto os custos subiram com maiores preços de combustíveis.

A Rumo anunciou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de 51 milhões de reais de julho a setembro, montante 70,4% menor do que em igual intervalo de 2020.

O volume transportado de 16,4 bilhões de toneladas equivalentes (TKU) no trimestre foi 6,7% inferior a um ano antes, impactado sobretudo pelos menores embarques de milho, algo que foi parcialmente compensado por crescimentos em fertilizantes, combustíveis e contêineres.

"A expectativa também é de queda para o próximo trimestre", afirmou a Rumo em relação aos volumes transportados de milho. Por outro lado, a empresa citou pesquisas climáticas para estimar crescimento dos volumes das safras de soja e milho em 2022.

A receita líquida encolheu 4,2% no comparativo anual, para 1,966 bilhão de reais. Na outra ponta, a companhia também revelou alta das despesas, sob influência do aumento de 27% dos gastos com combustível, entre outros fatores.

Com isso, o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) caiu 18,9% ano a ano, a 903 milhões de reais, com margens pressionadas pelo mix de transporte mais concentrado em cargas industriais. A margem Ebitda teve um tombo de 8,3 pontos percentuais, a 46%.

A dívida líquida fechou setembro e 9 bilhões de reais, alta de 9,1% em 12 meses. A alavancagem financeira medida pela relação dívida líquida/Ebitda no fim do trimestre alcançou 2,4 vezes, ante 2,1 vezes no final de junho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos