Mercado abrirá em 7 h 3 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.870,70
    +4,20 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    34.305,69
    -356,92 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    678,61
    -22,01 (-3,14%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.012,19
    +369,91 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.779,80
    +146,34 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.386,75
    +92,50 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

Que elemento falta para uma câmera ter a precisão do olho humano?

Felipe Freitas
·2 minuto de leitura

A tecnologia das câmeras, ao longo dos anos tem evoluído como uma constante, e, justamente essa tecnologia tem realizado capturas impressionantes dentro e fora de nosso planeta. Mas ainda assim, é difícil fotografar fenômenos da natureza como o luar. Será que o essencial é apenas visível aos olhos?

Por exemplo, você já esteve em uma noite com um luar muito bonito e tentou fazer uma fotografia com seu celular, mas a foto não ficou tão boa quanto a visão do luar pessoalmente? Mesmo essa sendo uma experiência específica, essa diferença de qualidade e precisão, demonstra a distância entre nossos sentidos e a captura fotográfica das câmeras.

Processamento digital dedicado é o futuro

O que falta para câmeras terem uma precisão próxima a do olho humano, é o processamento digital dedicado. Atualmente, existem funções como o "HDR" e "Foco dinâmico" que através do processamento digital aproximam a captura de fotos com uma maior precisão. Mas esse ainda é um campo a ser explorado.

Com o passar do tempo, os estudos dessa tecnologia se aproximou cada vez mais das câmeras de celular. Então, uma das descobertas, era a possibilidade de estimar a profundidade de cada parte da foto através de seu processamento digital, possibilitando o efeito de desfoque artificial similar ao do olho humano.

Esse efeito é uma das tentativas de reproduzir os elementos visuais naturais do olho, sendo assim, ao olhar fixamente para alguma coisa, o fundo fica em desfoque.

Entretanto, câmeras profissionais com lentes grandes, ainda estão distantes de alcançar a precisão do olho humano. Por que isso acontece?

Câmera vs. Olho humano

A tecnologia de captura de imagens, tem como principal objetivo adquirir a precisão de nossos sentidos, tentando aproximar cada vez mais a precisão das câmeras à de nossos olhos. Esses estudos, têm demonstrado o quanto a riqueza desses elementos visuais está presente na forma em que nosso cérebro interpreta a informação que os olhos enxergam.

No entanto, os avanços na tecnologia de câmeras de celular, são bem mais do que uma questão de hardware. A maior qualidade de câmeras e de sensores, são fatores importantes para capturar uma boa foto, mas outro fator primordial é o avanço da fotografia computacional, ou seja, a responsável pelo processamento dessas imagens.

Além disso, nossos olhos possuem a capacidade de se ajustar de forma dinâmica a interpretação da luz recebida e foco. Sendo assim, o que realmente vemos é a reconstrução de objetos feita pelo nosso cérebro com base na entrada das informações que é fornecida pelos olhos e não a luz real recebida.

Para captar esses efeitos visuais em celulares e smartphones, foram necessários diversos avanços na tecnologia de sensores de imagem e pós-processamento. Ou seja, desenvolver dispositivos com grande capacidade de processamento, além de lentes e sensores cada vez melhores, é o caminho para proporcionar câmeras que captam imagens cada vez mais próximas ao olhar humano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: