Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,34
    -0,11 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.717,90
    -2,90 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    19.997,92
    -377,03 (-1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,92
    -8,20 (-1,77%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.849,28
    -162,87 (-0,90%)
     
  • NIKKEI

    27.170,02
    -141,28 (-0,52%)
     
  • NASDAQ

    11.537,00
    -4,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0965
    -0,0170 (-0,33%)
     

Quatro em cada 10 empresários da pequena indústria não sabem o que é o Pronampe

SÃO PAULO (Reuters) - Uma fatia significativa dos empresários da indústria no Brasil ainda desconhece o programa federal de crédito destinado para negócios de pequeno e médio portes, segundo uma pesquisa nesta terça-feira.

Segundo levantamento do Datafolha, a pedido do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi), quatro em cada 10 empresários do setor afirmaram desconhecer o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), criado durante a pandemia e que está numa nova fase.

"40% nunca ouviram falar do Pronampe", diz o documento, que revelou ainda que apenas 16% dos respondentes se sentem bem informados sobre o programa.

O dado ilustra o desafio de irrigar com crédito os negócios de menor porte, responsáveis pela geração de mais de 70% dos empregos com carteira assinada no país em 12 meses até julho.

Criado em 2020 como uma linha emergencial para pequenos e médios negócios, o Pronampe atendeu num primeiro momento cerca de 750 mil empresas, com valor total de 200 bilhões de reais.

Na nova etapa iniciada em 25 de julho, os bancos envolvidos no programa já emprestaram 20,3 bilhões em crédito para mais de 221 mil empresas do país, a maior parte desse montante por meio do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

Na pesquisa contratada pelo Simpi, 30% dos entrevistados de pequenas indústrias citaram a dificuldade de acesso a crédito como a principal dificuldade para abrir um negócio, superando com folga fatores como burocracia (16%) e impostos (3%).

O levantamento, feito entre julho e agosto, também apontou que 46% dos pequenos industriais revelaram terem tido capital de giro insuficiente para manter o negócio.

(Por Aluísio Alves)