Mercado abrirá em 4 h 50 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,74
    -0,92 (-1,11%)
     
  • OURO

    1.804,30
    +5,50 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    59.129,03
    -1.696,00 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.425,24
    -49,09 (-3,33%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    25.528,79
    -99,95 (-0,39%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.593,50
    +6,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4511
    +0,0264 (+0,41%)
     

Quase metade dos consumidores não compraria em empresa que sofreu ataque

·1 minuto de leitura

Um estudo da Zoho, empresa de aplicativos e softwares de negócios, conduzido pela plataforma Toluna, mostra que 48% dos entrevistados deixariam de comprar em uma empresa se descobrissem que ela já sofreu ataque cibernético. "O consumidor está preocupado com a forma como as empresas lidam com seus dados pessoais", diz Jonathan Melo, diretor de marketing da Zoho Brasil.

A pesquisa indica, ainda, que 65% dos respondentes têm medo de fornecer dados pessoais ao fazer compras online. Já 72% evitam fazer negócios com lojas virtuais que não tenham domínio de e-mail próprio enquanto 39% confiam mais no aplicativo da loja do que no site. Se antes os consumidores forneciam dados facilmente, agora estão mais cautelosos sobre as informações que compartilham.

Imagem: Reprodução/Elements/twenty20photos
Imagem: Reprodução/Elements/twenty20photos

Melo diz que as preocupações são válidas, especialmente com o aumento da quantidade de ciberataques. “A solução é investir mais em tecnologia e segurança para lidar com dados sensíveis de clientes. O avanço do e-commerce durante a pandemia pode ser afetado se os ataques cibernéticos continuarem a afetar as grandes empresas."

Entre os ataques mais comuns ultimamente estão os que usam ransomware. Essa técnica impede acesso às informações armazenadas no sistema da empresa e pede o pagamento de um resgate para a recuperação do acesso aos dados.

O levantamento foi feito entre 7 e 13 de julho, com 1 mil brasileiros com mais de 18 anos das classes A, B e C. A margem de erro é de 3 pontos percentuais e a margem de confiança é de 95%.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos