Mercado fechará em 24 mins
  • BOVESPA

    106.129,25
    -1.605,76 (-1,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.883,97
    -136,08 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,62
    +1,12 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.794,40
    +12,50 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    60.761,56
    -2.138,81 (-3,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.447,76
    -55,28 (-3,68%)
     
  • S&P500

    4.552,21
    +2,43 (+0,05%)
     
  • DOW JONES

    35.742,04
    +138,96 (+0,39%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.350,75
    -128,00 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6022
    +0,0212 (+0,32%)
     

Quase metade dos alunos de escolas públicas não conhece o ensino técnico, diz pesquisa

·2 minuto de leitura

RIO - Quase metade dos alunos de escolas públicas não conhece o ensino técnico, afirma pesquisa encomendada pelo Itaú Educação e Trabalho e pela Fundação Roberto Marinho. Além disso, 32% afirmam que só ouviram falar da modalidade.

O levantamento, realizado pela Plano CDE, empresa especializada em avaliação de impacto, ouviu mil jovens que cursam o 9º ano do ensino fundamental e o 1º ano do Ensino Médio da rede pública de todas as regiões do país, entre os dias 5 e 28 de julho.

— Esse desconhecimento é grande porque a oferta de ensino profissional no Brasil ainda é muito pequena, de só 12% das matrículas — afirma a superintendente do Itaú Educação e Trabalho, Ana Inoue.

Por outro lado, 69% revelam alta ou muito alta a possibilidade de cursá-lo caso tivessem a oportunidade de conciliar com o ensino regular e 93% concordam que deveria ter o ensino profissionalizante nas escolas de Ensino Médio para todos os estudantes que tiverem interesse.

— Este estudo é de extrema importância, porque destaca a relação entre escola e trabalho, a partir de dados que chamam a nossa atenção: 90% dos estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio consideram que a escola deveria prepará-los para o mercado de trabalho — afirma o secretário geral da Fundação Roberto Marinho, Wilson Risolia.

Porém, 84% acham que há poucas escolas com essa modalidade de ensino, 53% dizem não ter nenhuma perto de casa, 54% não conhecem escola técnica e 45% sequer já ouviram falar de alguma instituição do tipo, o que acarreta desestímulo para considerar a modalidade.

— A pesquisa enfatiza o potencial do Ensino Médio na formação profissional dos jovens e a preferência manifestada por eles pela qualificação para o trabalho, enquanto estudam. Este achado do estudo reforça a relevância da Lei da Aprendizagem, que mantém o jovem na escola ao mesmo tempo em que oferece a oportunidade do primeiro emprego, com todas as garantias — diz Risolia.

Os estudantes também demonstraram relevância em ter acesso ao mundo do trabalho no Ensino Médio. Para 83% deles, o ensino técnico poderia ajudar a conseguir um emprego, e 98% acham importante a escola capacitá-los para o mundo do trabalho, enquanto 75% acreditam que a escola prepara pouco ou nada para o mundo profissional. Ao mesmo tempo, 56% dizem que o ensino técnico facilitaria a entrada na faculdade.

Na avaliação de Inoue, o ensino técnico brasileiro carrega um estigma que desde sua criação em 1909. Naquele momento, o decreto de sua instituição afirmava que ele existiria para “atender os pobres, desvalidos da sorte da fortuna”.

— Era uma formação mais alienada. O profissional era formado em uma área e não tinha possibilidade de crescimento. A gente tem que avançar para um ensino técnico moderno, em que os cursos de adaptem muito rapidamente em função das mudanças exigidas pelo mercado de trabalho — analisa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos