Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.183,60
    +3.629,88 (+6,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Quase 5 mil criptomoedas foram lançadas em um ano

·2 minuto de leitura

Cada vez mais, dinheiro é investido em criptomoedas. Conforme o mercado amadurece, elas se tornam mais populares. Ao mesmo tempo, novas moedas virtuais têm sido lançadas para aproveitar o momento de interesse.

Dados do Crypto Parrot, um simulador de conversão de criptos, entre setembro de 2020 e setembro de 2021, 4.908 criptomoedas novas foram apresentadas ao mercado. Agora, o número total é de 12.046. Em relação a setembro do ano passado, o crescimento foi de 68,75%.

Os números são impressionantes, já que, há uma década, só existia o Bitcoin. As novas moedas digitais buscam impulsionar setores como finanças, pagamentos, aprendizado de máquina, arte e outros.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Stanislaw Zarychta
Imagem: Reprodução/Unsplash/Stanislaw Zarychta

Em setembro de 2020, enquanto a economia entrava em declínio e o mercado de ações tinha uma baixa histórica, as criptomoedas se mantiveram resilientes. É como se elas fossem um amortecedor contra a crise econômica. De forma cíclica, isso inspirou a criação de novas moedas.

O setor já tem valor de mercado cumulativo de cerca de US$ 2 trilhões. Com o apoio de investidores institucionais, a popularidade dos ativos disparou. As criptomoedas utilitárias, como a Ethereum, que se desenvolvem como infraestrutura, permitem que outras criptos sejam criadas em suas redes.

A criação de moedas virtuais teve aumento significativo em 2017 em meio ao frenesi causado pela oferta inicial delas. Nos últimos 12 meses, esse ambiente foi replicado com o crescimento das finanças descentralizadas (Decentralized Finance – DeFi).

Como os projetos de DeFi buscam unir as criptomoedas com as finanças tradicionais, as novas plataformas já vêm com tokens nativos. Isso faz a maioria dos projetos de DeFi utilizarem criptos utilitárias para lançar suas moedas.

Golpes com criptos

Imagem: Reprodução/Elements/bernardbodo
Imagem: Reprodução/Elements/bernardbodo

Vale ressaltar que algumas das novas moedas digitais não vêm para contribuir para o setor. Com o cenário regulatório global pouco claro, alguns dos projetos são tentativas de golpe que buscam se beneficiar do contexto.

A maioria das moedas virtuais é lançada com muita celebração, mas depois são evitadas por investidores e pelo público. Poucas sobrevivem, especialmente as voltadas a adoção massiva e casos de uso notáveis. Em outras palavras, nem sempre a criação de uma criptomoeda é sinônimo de sucesso: desde maio deste ano, mais de 2 mil moedas digitais fracassaram.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos