Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.906,80
    -2.044,77 (-5,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Quase 400 mil pessoas abandonam cidade ameaçada por vulcão

·2 minuto de leitura
Quase 400 mil pessoas abandonam cidade ameaçada por vulcão
Quase 400 mil pessoas abandonam cidade ameaçada por vulcão

Ameaçada pela possibilidade de uma nova erupção do vulcão Nyiragongo, a cidade de Goma, na região leste da República Democrática do Congo (RDC), viu quase 400 mil habitantes irem embora. A região metropolitana da cidade tem cerca de 2 milhões de pessoas, com 600 mil apenas na cidade, tornando o local caótico. Agora, as ruas estão tranquilas e vazias.

No resumo da reunião de emergência sobre a situação do vulcão, realizada nesta sexta-feira (28), é descrito que quase 80 mil casas estão vazias. Nos últimos quatro dias houveram registros de sismos tão fortes que foram sentidos em Kigali, capital da Ruanda, a 160 quilômetros de distância.

Leia mais:

Desde o último sábado (22), 32 pessoas morreram, sendo 20 delas por causa de gases libertados após a erupção daquele dia. Entre 900 e 2,5 mil casas foram destruídas pela lava, de acordo com dados de organizações humanitárias divulgados pela agência DW. Em Rubavu, cidade na Ruanda a 30 quilômetros, mais de 1,2 mil edifícios foram afetados pelos tremores.

A última noite, de quinta para sexta-feira, foi um pouco mais tranquila, com um menor número de sismos e de menor intensidade. Mesmo assim, a cidade de Goma amanheceu praticamente deserta, sem policiamento nas ruas e com lojas fechadas.

“Fiquei na cidade. Sei que estou em perigo, mas não tenho alternativa. Vou partir quando o vulcão começar a expelir”, disse Aline Uramahoro, gerente de um dos poucos estabelecimentos abertos, à AFP.

Vulcão Nyiragongo
Lava do vulcão Nyiragongo. Imagem: Photovolcanica.com

Ainda na quinta-feira (27), as autoridades alertaram para a “presença de magma sob a área urbana de Goma, que se estendia sob o lago Kivu”. Isso provoca a possibilidade de “uma erupção em terra, ou sob o lago, sem nenhum sinal precursor”, causando a ordem de evacuação “preventiva”.

No mesmo dia, um grupo de cientistas foi para o topo do vulcão Nyiragongo, para avaliar os riscos de uma nova erupção. Eles também observaram e extraíram dados atuais, para auxiliar o governo na tomada de decisões futuras.

A erupção do sábado passado foi “muito pequena, um verdadeiro milagre” por ter saído pouca lava, de acordo com o vulcanologista italiano Dario Tedesco, que morou em Goma. Mas, agora, existem quatro tipos de riscos, segundo as autoridades.

O primeiro risco são os repetidos tremores de terra, seguidos pela toxicidade do ar e da água pelas cinzas dispersas na atmosfera. Há também essa possibilidade de erupção secundária, com lava diretamente no solo. O pior cenário é uma “reserva de gás sob o lago Kivu por contato com o magma”.

A mais recente grande erupção do vulcão Nyiragongo aconteceu no dia 17 de janeiro de 2002. Pelo menos cem pessoas morreram na ocasião.

Via: Estado de Minas / DW

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos