Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,91
    +0,71 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.764,40
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    16.880,70
    +693,09 (+4,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,31
    +12,58 (+3,24%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    27.882,81
    -145,03 (-0,52%)
     
  • NASDAQ

    11.530,00
    +5,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4629
    +0,0063 (+0,12%)
     

Quase 4 metros! Cientistas da Espanha descobrem tartaruga gigante milenar

Cientistas da Espanha descobriram uma tartaruga de quase 4 metros de comprimento. A espécie em questão foi batizada de Leviathanochelys aenigmatica. Os arqueólogos acreditam que o animal tenha se escondido sob a superfície por cerca de 80 milhões de anos.

Os restos antigos, encontrados na cidade espanhola de Cal Torrades (mais precisamente nos depósitos marinhos do Campaniano Médio dos Pirineus do Sul) incluem a pélvis da tartaruga e partes de sua carapaça.

Uma estrutura óssea única em sua pélvis indica que a descoberta representa uma nova categoria de tartarugas, já que essa curiosa característica não foi observada em restos de outras espécies. Os autores sugerem que sua função pode ter algo a ver com uma anatomia respiratória única.

Cientistas da Espanha descobrem tartaruga gigante milenar. A existência do animal remete a 80 milhões de anos, aproximadamente (Imagem: cookelma/envato)
Cientistas da Espanha descobrem tartaruga gigante milenar. A existência do animal remete a 80 milhões de anos, aproximadamente (Imagem: cookelma/envato)

Até o momento, a comunidade científica acreditava que as maiores tartarugas marinhas que já navegaram nos oceanos, como os protostegídeos Archelon e Protostega, estavam restritas à América do Norte durante o último Cretáceo.

“A descoberta do novo, gigantesco e bizarro quelônio Leviathanochelys aenigmatica lança uma luz sobre a diversidade de tartarugas marinhas e sobre como o fenômeno do gigantismo nesses grupos também estava ocorrendo na Europa”, concluem os autores do estudo.

Anteriormente, um estudo conjunto entre a Newcastle University (Reino Unido), Yale, MIT (Estados Unidos) descobriu uma nova espécie de tartaruga gigante, mais especificamente, tartaruga-das-galápagos, no arquipélago homônimo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: