Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.843,90
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    29.223,76
    -862,79 (-2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,72
    -21,65 (-3,22%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.826,50
    -51,75 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1522
    -0,0666 (-1,28%)
     

Quase 1 a cada 4 celulares vendidos no mundo em 2022 foi um Samsung Galaxy

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Novos relatórios da agência Canalys apontam que a venda de smartphones sofreu uma queda de 11% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o final de 2021. Mesmo assim, a Samsung obteve resultados que garantiram a retomada da liderança entre as marcas que mais vendem celulares, posto que estava ocupado pela Apple.

Empresa

1º Trimestre - 2021

4º Trimestre - 2021

1º Trimestre - 2022

Samsung

22%

20%

24%

Apple

15%

22%

18%

Xiaomi

14%

12%

13%

Oppo

11%

9%

10%

Vivo Mobile

10%

8%

8%

Todas as movimentações visualizadas são consideradas naturais pelos analistas, já que os primeiros meses do ano costumam ser menos agitados historicamente. Porém, fatores adicionais como a guerra na Ucrânia, lockdowns na China e aumento generalizado no preço dos aparelhos contribuíram para que os efeitos fossem sentidos de forma mais aguda.

A mudança no topo da lista também é normal, já que o período com as maiores vendas da linha iPhone 13 já passou. O retorno da Samsung à liderança é resultado do lançamento dos seus prinicpais aparelhos topos de linha e intermediários — com as séries Galaxy S22 e Galaxy Ax3, respectivamente.

Portanto, a marca coreana atingiu 24% da fatia de mercado — quase 1/4 do total —, um aumento de quatro pontos percentuais em comparação com o último trimestre de 2021. Os números também são positivos quando confrontados com o início do ano passado, quando a empresa obteve 22%.

A Apple permanece como uma forte concorrente ao ter 18% do total de smartphones vendidos no planeta, proporção maior do que os 15% vistos no início de 2021. A marca pretende aumentar sua força no mercado mesmo depois da temporada dos principais iPhones, especialmente com o iPhone SE 2022 — porém, as vendas do aparelho permanecem abaixo do esperado.

iPhone SE 2022 é aposta da Apple antes do iPhone 14, mas vendas ainda não decolaram (Imagem: Divulgação/Apple)
iPhone SE 2022 é aposta da Apple antes do iPhone 14, mas vendas ainda não decolaram (Imagem: Divulgação/Apple)

Na sequência, a Xiaomi permanece na terceira colocação com 13% do mercado, uma pequena queda em relação ao mesmo período do ano passado. A quarta colocada é a Oppo (que também inclui a OnePlus), em que os 11% registrados representam pouca variação comparada aos 10% de 2021.

A quinta colocada ainda é a Vivo Mobile, que atinge 8% das vendas no mundo inteiro. O mercado é completado com as diversas outras marcas disponíveis, que somadas atingem 28% dos aparelhos comercializados.

Especialistas de mercado afirmam que os próximos meses deverão ser mais positivos para as marcas de smartphones, pois existe uma expectativa para a amenização da crise global dos semicondutores. Caso confirmada, os dispositivos eletrônicos poderão ter preços reduzidos, o que aumenta a demanda.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos