Mercado abrirá em 3 h 10 min

Quarentena de SP pode custar R$ 2 bilhões por semana

BRUNA NARCIZO E PAULA SOPRANA
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 21-03-2020: PARQUE-SP - Parque Villa Lobos (zona oeste) fechado por conta do coronavírus. O governador João Doria (PSDB) e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciaram nesta sexta-feira decreto de calamidade pública e fechamento de parques, Detran e Poupatempo. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dizer que São Paulo parou é uma das analogias preferidas para descrever dias de trânsito intenso, chuvas torrenciais ou até jogos do Brasil em Copas do Mundo.

Mas nunca se viu nada parecido com o que a maior cidade do país está enfrentando na quarentena para conter o surto de coronavírus. Shopping centers -"a praia de paulista"- foram fechados, assim como lojas de ruas conhecidas nacionalmente, como as da 25 de Março, outros tipos de comércio e fábricas.

O custo de parar literalmente São Paulo pode chegar a R$ 2 bilhões por semana, segundo projeção de Rodolfo Olivo, professor de economia da FIA (Fundação Instituto de Administração).

Ele usou dados do PIB (Produto Interno Bruto) de São Paulo e uma projeção de perdas divida por setores, baseada em números de consultorias dos Estados Unidos.

Olivo afirma que o custo pode chegar a R$ 287 milhões ao dia, o que leva a R$ 2 bilhões por semana e representa uma queda de 18% do PIB da capital paulista. "Se estivéssemos falando do Nordeste, seria mais de 40%", afirma.

"Setores como imobiliário, cultural, esportivo e de educação serão os mais afetados e podem ter queda de mais de 90%. Os menos impactados serão transportes e correios, com 0%. Alimentação e comunicação devem cair 15% e 10%, respectivamente", diz.

Segundo dados do IBGE, o PIB paulistano líquido é de R$ 576 bilhões. Serviços correspondem à maior fatia, com R$ 474 bilhões, seguido por indústria (R$ 59 bilhões), administração pública (R$ 42 bilhões) e agropecuária, com R$ 37 milhões.

Olivo projeta que o setor serviços tenha uma queda de 18,8% na quarentena. A indústria deve recuar 9%, e administração pública, 25%.

O agronegócio deve se manter estável.

"No serviço público, fui até conservador. Engloba saúde, educação, tudo. Se fechou a escola, vai perder a geração do serviço, e isso vai ter que ser reposto", diz ele.

A FecomercioSP estima uma perda diária de cerca de R$ 300 milhões de faturamento bruto no comércio não essencial, setor que agrega autopeças, concessionárias, eletrodomésticos, construção, móveis e decoração e vestuário.

A conta não inclui mercados e farmácias, que permanecerão abertos durante o isolamento da pandemia.

A entidade destaca que não se pode tratar como prejuízo, já que alguns estabelecimentos fecharão as portas, mas continuarão funcionando. A expectativa é feita com base no comércio diário de março a maio do ano passado.

"São R$ 300 milhões por dia com o varejo completamente fechado. Mas o prejuízo é cumulativo e depende do período que durar o isolamento. Se a loja ficar duas semanas fechadas, o varejo se recupera. Se prolongar para três meses, há risco de demissão, de perda total de caixa, e aí o comerciante não voltar mais", diz Guilherme Dieze, economista da federação.

A expectativa da entidade é que 115 mil lojas do comércio varejista sejam afetadas em São Paulo, impactando a vida de 350 mil funcionários.

Um dos setores mais sensíveis à crise gerada pela pandemia é o de bens duráveis, que depende de crédito e de confiança para consumo. Para o lojista, é muito alto o custo de manter geladeiras e fogões nos estoques.

Já a estimativa de George Sales, professor de finanças do Ibmec, é um pouco mais conservadora. Ele estima que, com a pandemia, o PIB nacional pode ter uma queda de 4,5%, o que teria um impacto de R$ 88 milhões por dia na capital paulista.

"O cálculo foi feito pensando no ano inteiro de perdas proporcionais. Se fosse só nos dias da crise, seria maior", afirmou.