Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,40
    -1,85 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.799,00
    +16,60 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    16.834,54
    -160,33 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.498,75
    -67,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4669
    -0,0118 (-0,22%)
     

Quanto Kanye West vai deixar de ganhar após fala antissemita

Kanye West
Kanye West

O rapper americano Kanye West, agora conhecido como Ye, não está mais na lista de bilionários da revista Forbes.

A publicação estima que o artista perdeu US$ 1,5 bilhão do seu patrimônio líquido depois que a Adidas encerrou seu contrato com ele por "não tolerar antissemitismo e qualquer outro tipo de discurso de ódio".

A decisão da empresa foi tomada 17 dias depois de o rapper ter postado comentários antissemitas nas redes sociais.

No início do mês, o Instagram e o Twitter baniram a conta do rapper após classificar comentários seus como antissemitas.

Kanye teve sua conta no Instagram suspensa depois de acusar o rapper Diddy — que havia criticado Kanye por usar uma camiseta 'White Lives Matter' — de ser controlado por judeus.

West respondeu à sua suspensão do Instagram pelo Twitter, dizendo que iria adotar "'death con 3' em relação aos judeus", uma referência ao termo Defcon (estado de alerta usado pelas Forças Armadas americanas), o que rendeu a ele a expulsão do Twitter.

Ambas as plataformas removeram as postagens do rapper — e disseram que ele violou as políticas de discurso de ódio.

Em 15 de outubro, durante participação no podcast americano Drink Champs, Ye defendeu sua postagem: "O povo judeu é dono da voz negra... seja por meio de nós assinando com uma gravadora ou tendo um empresário judeu. A mídia judaica me bloqueou".

O Drink Champs pediu desculpas por veicular as opiniões de Kanye e removeu o episódio.

Adidas

Em comunicado divulgado na terça-feira (25/10), a Adidas classificou as postagens do rapper americano como inaceitáveis:

"A Adidas não tolera antissemitismo e qualquer outro tipo de discurso de ódio. Os comentários e atitudes recentes de Ye foram inaceitáveis, odiosos e perigosos, e violam os valores da empresa de diversidade e inclusão, respeito mútuo e justiça", escreveu a companhia, que já havia informado no início deste mês que estava reavaliando sua parceria com a marca Yeezy, de West.

O rapper, que foi diagnosticado com transtorno bipolar, já havia causado polêmica durante a Paris Fashion Week ao usar uma camiseta estampada com os dizeres "White Lives Matter".

A Liga Antidifamação (entidade que combate o avanço do antissemitismo) classificou a frase como "discurso de ódio" e a atribuiu a supremacistas brancos, que começaram a usá-la em 2015 em resposta ao movimento Black Lives Matter.

De acordo com a Forbes, a fortuna estimada de Ye caiu de US$ 2 bilhões para US$ 400 milhões com o fim do contrato com a Adidas — e ele saiu da lista de bilionários da revista.

O rapper sempre questionou, no entanto, os números publicados na imprensa sobre sua fortuna, alegando que era muito mais rico.

A Adidas afirmou, por sua vez, que perderá US$ 251 milhões ao encerrar o contrato. E informou que vai retirar imediatamente os produtos com a marca do rapper do mercado.

A companhia havia dito anteriormente que a parceria com a marca Yeezy foi uma das mais bem-sucedidas da história da empresa.

E afirmou à BBC que havia tomado a decisão no início do mês de reavaliar a parceria com Ye depois de "repetidos esforços para resolver privadamente a situação" de ser acusada pelo rapper de "roubar" seus designs.

Ye havia acusado publicamente a Adidas em um post agora apagado do Instagram.

Outras perdas financeiras

Mas o fim do contrato com a Adidas não é a única perda que ele acumula: o banco JP Morgan e a varejista de roupas Gap anunciaram nos últimos meses que estavam encerrando seu relacionamento com o rapper.

O artista acusou a Gap de não honrar os termos de seu contrato, inclusive por não abrir lojas independentes para sua grife de moda Yeezy.

A Gap informou em comunicado na terça-feira que vai retirar os produtos da coleção Yeezy Gap de suas lojas e que fechou o site YeezyGap.com.

"Antissemitismo, racismo e ódio de qualquer forma são imperdoáveis ​​e não tolerados... Estamos em parceria com organizações que combatem o ódio e a discriminação", disse a Gap em sua conta no Instagram @yeezyxgap.

A grife de luxo Balenciaga e a agência de talentos Creative Artists Agency também cortaram relacionamento com Ye no início de outubro.

Já a produtora de cinema e televisão MRC disse na segunda-feira que não exibirá seu documentário recém-concluído sobre o rapper.

"Kanye é produtor e sampler de música. Na semana passada, ele sampleou e remixou uma música clássica que está nas paradas há mais de 3 mil anos — a mentira de que os judeus são maus e conspiram para controlar o mundo para seu próprio ganho... Como líderes desta empresa (um judeu, um muçulmano e um cristão), nos sentimos no dever de dizer a todos vocês que este é um uso pernicioso e terrível de falsa lógica", escreveu a MRC.

O jogador de futebol americano Aaron Donald e a estrela do basquete Jaylen Brown também rescindiram seus contratos com a agência de marketing esportivo de Kanye West, Donda Sports, após seus comentários antissemitas.

Na segunda-feira, Brown chegou a dizer que planejava ficar com a Donda, mas voltou atrás no dia seguinte.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-63410504