Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.647,49
    -1.670,58 (-4,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Quantidade de consumidores de TV pirata se aproxima do de assinantes no Brasil

·2 minuto de leitura

A pirataria continua subindo no Brasil, de acordo os dados da última pesquisa da Mobile Time. De acordo com o levantamento, o país possui atualmente 33 milhões de usuários de TV pirata, ou seja, pessoas que acessam televisão por assinatura por meio de TV Boxes, sites ilegais, aplicativos entre outros.

O número, referente ao mês de março, vai contra a quantidade de pessoas no Brasil que atualmente pagam pelo serviço. São 45 milhões de usuários que assinam algum tipo de serviço de televisão. De acordo com o UOL, 200 mil pessoas cancelaram pacotes de assinatura a cabo apenas no mês de abril. Os argumentos, no entanto, seguem os mesmos: altos preços, mau atendimento e programação precária.

(Imagem: Unsplash / Tech Daily)
(Imagem: Unsplash / Tech Daily)

Segundo a Anatel, atualmente há pouco mais de 14 milhões de pontos ao redor do país — mas a queda persiste, o que indica que o Brasil pode fechar 2021 com um número abaixo. Outro fator que leva a essa baixa também é a alta dos serviços de streaming cada vez mais presentes na América Latina: com maior comodidade e amplo catálogo sob demanda, plataformas como a Netflix, Disney+, Amazon Prime Video, Globoplay e Paramount+ ganharam o protagonismo durante a pandemia de COVID-19 e tornaram-se aliados dos brasileiros nos momentos de entretenimento.

Perda financeira

A Associação Brasileira de TVs por Assinatura (ABTA, na sigla) iniciou uma nova campanha contra o consumo de TV pirata. A organização afirma que a perda financeira no Brasil com a prática já gera R$ 15,5 bilhões por ano, sendo R$ 2 bilhões apenas com impostos.

Num ranking global divulgado em dezembro Nagra/Kudelski Group, empresa líder em segurança digital, o Brasil ocupa o topo em consumo de pirataria online. De acordo com o estudo, dos 4 milhões de usuários que utilizam TV Box pirata ou um servidor ilegal, 648 mil são brasileiros.

O "vilão", no entanto, é o IPTV, um método de transmissão de sinais televisivos por meio da internet que permite acessar conteúdos por assinatura ilegalmente, principalmente canais pay-per-view e filmes para locação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: