Mercado abrirá em 5 h 22 min
  • BOVESPA

    109.401,41
    -2.522,52 (-2,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,37
    +0,44 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.781,40
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    17.013,39
    -292,37 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,81
    -9,41 (-2,29%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.247,66
    -270,63 (-1,39%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.792,25
    -13,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5292
    -0,0042 (-0,08%)
     

Quantas fintechs existem no Brasil atualmente?

As fintechs, ou startups voltadas a serviços financeiros, são atualmente a vedete dos investidores no Brasil e no mundo. Em fevereiro de 2017, de acordo com o hub Radar FintechLab, existiam 244 empresas do tipo no Brasil. Agora, de acordo com um levantamento da Fincatch, plataforma de avaliação de fintechs, há 1.466. O dado vem da W Fintechs, newsletter brasileira especializada no assunto.

Essas empresas crescem sobretudo porque o dinheiro em papel caminha para o seu fim. Na América Latina, o volume de transações sem dinheiro em espécie aumentará em 52% até 2025 e em 48% até 2030. É o que aponta um relatório da Strategy&, braço de estratégia da consultoria PwC. Em outras partes do mundo, essa tendência crescerá ainda mais rápido.

A região Ásia-Pacífico é a que deve liderar o crescimento, com percentual em 109% até 2025 e 76% até 2030. Grande parte da "culpa" será da China, uma das pioneiras nesse sentido. Em seguida virão a África (com 78% e 64%, respectivamente) e Europa (64% e 39%). Apenas os EUA e o Canadá terão crescimento mais lento que a América Latina: 43% e 35%.

O uso de pagamentos móveis crescerá de modo constante (estimativa de 23% até 2024). A proliferação de superapps, serviços de open banking e QR codes impulsionará a adesão à carteira digital.

Fintechs brasileiras foram as que mais receberam recursos de capital de risco em 2021 (Imagem: Reprodução/Anete Lusina/Pexels)
Fintechs brasileiras foram as que mais receberam recursos de capital de risco em 2021 (Imagem: Reprodução/Anete Lusina/Pexels)

No Brasil, as startups financeiras foram as que mais receberam recursos de capital de risco em 2021, segundo um levantamento da consultoria KPMG em parceira com a Distrito.

Entre as consolidadas, nenhuma bate o poder do Nubank. A emprsa precificou suas ações a US$ 9 (R$ 49,83) pouco antes de sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) na Bolsa de Valores de Nova York, no começo de dezembro. Assim,a companhia se tornou o banco listado em bolsa mais valioso da América Latina, com valor de mercado de US$ 41,5 bilhões (R$ 231,4 bilhões), à frente do Itaú Unibanco.

Outras fintechs como Brex, Stone, Ebanx, C6 Bank e Mercado Bitcoin se tornaram unicórnios (com valor acima de US$ 1 bilhão) nos últimos anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: