Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.914,30
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    11.942,89
    +885,88 (+8,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.693,25
    +32,50 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    +0,0275 (+0,42%)
     

Qual a porcentagem total de matéria no universo? Essa pode ser a resposta!

Daniele Cavalcante
·3 minutos de leitura

Calcular a quantidade de matéria do universo é uma tarefa intimidadora até mesmo para os mais experientes cosmólogos e astrofísicos, mas também é importante para determinar a precisão de todas as medidas que dependem disso. Mas uma equipe da Universidade da Califórnia afirma ter obtido cálculos precisos.

De acordo com o estudo, a matéria é responsável por 31% da quantidade total de matéria e energia no universo. Os outros 69% consiste em energia escura, uma forma de energia que distribuída por todo espaço, possivelmente responsável pela aceleração da taxa de expansão do universo.

Conforme explica o principal autor do estudo Mohamed Abdullah, podemos imaginar um cenário em que toda a matéria existente está espalhada pelo universo de forma homogênea. Se assim fosse, teríamos uma massa de densidade equivalente a cerca de seis átomos de hidrogênio por metro cúbico. Entretanto, as coisas são bem mais complexas que isso, principalmente se considerarmos a matéria escura, um tipo de matéria que os cientistas ainda não compreendem. Na verdade, 80% da matéria é matéria escura.

(Imagem: Reprodução/Mohamed Abdullah/UC Riverside)
(Imagem: Reprodução/Mohamed Abdullah/UC Riverside)

Para chegar a este resultado, Abdullah e sua equipe usaram uma técnica de eficácia já comprovada, que é comparar o número e a massa de aglomerados de galáxias observados com previsões de simulações numéricas. “Uma porcentagem maior de matéria resultaria em mais aglomerados”, disse Abdullah. Ele explica que o desafio da equipe era a dificuldade “de medir a massa de qualquer aglomerado de galáxias com precisão porque a maior parte da matéria é escura, então não podemos vê-la com telescópios”.

Então, como eles conseguiram estimar a quantidade de matéria se não é possível ver a maior parte dela? Bem, a equipe desenvolveu uma ferramenta chamada "GalWeight", capaz de medir a massa de um aglomerado de galáxias usando as órbitas de cada galáxia individualmente. Ao usá-la nas anotações do Sloan Digital Sky Survey (um levantamento de dados astronômicos), o resultado foi o "GalWCat19", um catálogo de aglomerados de galáxias que já está disponível ao público.

Depois, bastou comparar o número de aglomerados neste catálogo com as simulações numéricas para determinar a quantidade total de matéria no universo. De acordo com o coautor Gillian Wilson, esta é “uma das medições mais precisas já feitas usando a técnica do cluster de galáxias”. Não é a primeira vez que este resultado é obtido, mas ainda assim ele é de grande importância por estar de acordo com os números encontrados em outras técnicas que também se propuseram a medir a matéria do universo.

Não só isso, mas o novo estudo tem uma vantagem sobre os anteriores. É que ao invés de um cálculo baseado em estatísticas indiretas, esta foi a primeira vez que os cientistas conseguiram medir a matéria do cosmos medindo a massa de aglomerados individuais — ou seja, um método de observação mais direta. O estudo foi publicado no Astrophysical Journal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: