Mercado abrirá em 8 h 11 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,85
    +0,87 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.820,90
    +11,30 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    17.213,48
    +241,40 (+1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    408,00
    +6,57 (+1,64%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.334,83
    +659,48 (+3,53%)
     
  • NIKKEI

    27.808,74
    +30,84 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    11.995,75
    -14,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5216
    +0,0276 (+0,50%)
     

Qual foi o furacão mais devastador da história?

Qual foi o furacão mais devastador da história?
Qual foi o furacão mais devastador da história?

Os furacões são ciclones tropicais que atingem o Oceano Atlântico e o leste do Pacífico e estão entre os fenômenos naturais mais temidos em razão das mortes e devastação que deixam em seus rastros. O Furacão Fiona está se aproximando do Canadá após assolar diversas ilhas no Caribe, e por pouco não atinge o território dos Estados Unidos. Neste texto, o Olhar Digital responde à seguinte pergunta: qual foi o furacão mais devastador da história?

A resposta depende do parâmetro utilizado: custos econômicos ou perda de vidas. Do ponto de vista econômico, o Furacão Katrina, que atingiu os EUA em 2005, lidera a lista. Quando se trata do número de mortos, contudo, um furacão que atingiu o Mar do Caribe em 1780 e ceifou 22 mil vidas, fica em primeiro lugar.

Leia mais:

Katrina: um desastre econômico

O Furacão Katrina foi o mais caro de todos os tempos, causando aproximadamente US$ 125 bilhões em danos quando assolou Nova Orleans e outras cidades norte-americanas no litoral do Golfo do México. Se corrigido conforme a inflação de 2022, o prejuízo chega a US$ 188 bilhões.

Segundo a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos, esse montante supera em muito os US$ 54 bilhões esperados em gastos anuais com furacões no país. As perdas relacionadas ao Furacão Katrina foram equivalentes a 1% do PIB norte-americano em 2005.

A devastação foi causada principalmente pela maré de tempestade (também conhecida como ‘maré ciclônica’ e ‘ressaca’), um aumento temporário do nível do mar que causa enchentes em áreas costeiras. Durante a passagem do Katrina, marés de 3 a 9 metros de altura invadiram o litoral americano no Golfo do México, inclusive rompendo barragens em Nova Orleans.

“Os furacões mais devastadores em termos monetários têm mais chance de ocorrer onde há uma grande quantidade de infraestrutura cara”, explica Eric Jay Dolin, autor de A Furious Sky: The Five-Hundred-Year History of America’s Hurricanes, sem tradução para o português. “É por isso que o furacão mais custoso é o Katrina.”

Devastação causada pelo Furacão Katrina, que atingiu os Estados Unidos em 2005 | Crédito: Dan Oberly, via Shutterstock.
Devastação causada pelo Furacão Katrina, que atingiu os Estados Unidos em 2005 | Crédito: Dan Oberly, via Shutterstock.

O furacão mais mortal

O Grande Furacão de 1780 lidera em mortes causadas por uma tempestade tropical atlântica, totalizando entre 22 mil e 28,5 mil fatalidades, sobretudo nas ilhas de Barbados, Martinica e Santo Eustáquio.

Seus ventos atingiram velocidades de 320 km/h e devastaram a infraestrutura e diversas residências na região do Mar do Caribe e do Golfo do México, então sob administração colonial de países como o Reino Unido, Espanha, França e Países Baixos.

Curiosamente, o furacão também afundou vários navios de guerra britânicos e um francês. Na época, os dois países se enfrentavam na Guerra de Independência dos Estados Unidos.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!