Mercado abrirá em 6 h 28 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,44
    +0,14 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.754,70
    +4,90 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    44.359,05
    +519,55 (+1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.108,72
    -0,20 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.469,15
    -41,83 (-0,17%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.274,75
    -28,75 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2229
    -0,0021 (-0,03%)
     

Qual é o futuro da CoronaVac? Saúde anuncia 3ª dose, mas desconsidera a vacina

·3 minuto de leitura

Na segunda-feira (30), o Instituto Butantan entregou ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, mais de dez milhões de doses da vacina CoronaVac contra a COVID-19. Este foi o maior lote já enviado de doses do imunizante contra o coronavírus SARS-CoV-2, mas os planos — e o cronograma — do Butantan, a partir de agora, devem mudar. Isso porque a fórmula não será aplicada como injeção de reforço (terceira dose) para os brasileiros.

O contrato do Butantan com a Saúde previa entregas de doses da CoronaVac até o final de setembro, mas o instituto previa adiantar as remessas até o final deste mês. No total, o Butantan já entregou 92,8 milhões de doses para o governo federal. Agora, ainda faltam 7,1 milhões de doses para serem enviadas. Só que este envio pode levar algumas semanas para ser concluído.

Instituto Butantan muda estratégia para a distribuição de doses da CoronaVac (Imagem: Reprodução/Luciana Zaramela/Canaltech)
Instituto Butantan muda estratégia para a distribuição de doses da CoronaVac (Imagem: Reprodução/Luciana Zaramela/Canaltech)

Questão da terceira dose da vacina

Na última semana, a Saúde anunciou que deve ser aplicada uma dose de reforço nos idosos com mais de 70 anos e pessoas imunossuprimidas a partir da segunda semana de setembro, de forma escalonada. A terceira dose será uma importante iniciativa para melhorar as defesas imunológicas desse grupo que enfrenta a imunossenescência.

No entanto, a vacina que deve ser usada, preferencialmente, como a terceira dose é da Pfizer/BioNTech, segundo orientação da própria Saúde. "Na falta desse imunizante, a alternativa deverá ser feita com as vacinas de vetor viral, Janssen ou Astazeneca [Oxford/Fiocruz]", detalha a pasta.

De acordo com as recomendações, o futuro da CoronaVac é incerto no plano nacional. Provavelmente, as últimas doses deverão ser usadas para completar a vacinação de quem já recebeu a primeira. Até o momento, nenhum detalhe foi comentado pela Saúde sobre a questão.

Por outro lado, diferente do que orienta o ministério da Saúde, o governo do estado de São Paulo já anunciou que a dose de reforço poderia ser feita também com a vacina CoronaVac.

Perspectivas da produção da CoronaVac no Brasil

“Ainda essa semana haverá uma liberação de doses e nós vamos atender o Ministério e os estados que tenham necessidade da vacina. Nós vamos compatibilizar os cronogramas e vamos fazer a entrega para todos que têm contrato”, afirmou o diretor do Butantan, Dimas Covas, durante coletiva de imprensa.

“Temos, neste momento, 13 milhões de doses no Brasil em processamento. Temos liberação quase que diária e estamos reprogramando as entregas porque temos outros contratos a serem concluídos, outros estados e outros países”, contou Dimas. Ainda não foram detalhados o destino da produção de doses da CoronaVac pelo Butantan.

Mesmo que o imunizante contra a COVID-19 não seja prioridade para a Saúde, as doses ainda poderão ser usadas contra a pandemia. Nesse sentido, existe a possibilidade de o imunizante ser exportado para outros países, que estão mais atrasados no processo de vacinação contra o coronavírus. Segundo a plataforma Our World in Data, apenas 1,7% das pessoas em países de baixa renda receberam pelo menos uma dose de alguma vacina. Em outras palavras, muito provavelmente, haverá mercado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos