Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.095,85
    -1.972,70 (-1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.240,01
    +514,05 (+1,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,59
    -0,42 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.800,50
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    17.221,59
    +395,69 (+2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,10
    +11,41 (+2,89%)
     
  • S&P500

    3.961,62
    +27,70 (+0,70%)
     
  • DOW JONES

    33.735,20
    +137,28 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.647,75
    +138,25 (+1,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5055
    +0,0391 (+0,72%)
     

Qual é a maior e a menor estrela já descoberta?

Qual é a maior e a menor estrela já descoberta?
Qual é a maior e a menor estrela já descoberta?

Embora seja um gigante se comparado à Terra, o Sol está longe de ser a maior estrela que conhecemos; na verdade, ele está bem na média no quesito tamanho. Mas, afinal, qual é a maior estrela conhecida? E a menor?

“A resposta varia se estamos falando de massa ou de volume total, ou seja, quanto espaço a estrela ocupa”, afirma Phil Massey, astrônomo do Observatório Lowell, no Arizona. Isso porque as estrelas mais pesadas são frequentemente pequenas, e as mais volumosas costumam ser bem leves, devido ao fato de que, conforme envelhecem, elas tendem a se expandir e perder massa.

A maior estrela

Se estivermos falando de massa, então a maior é a R136a1, localizada na Grande Nuvem de Magalhães, a cerca de 160 mil anos-luz da Terra. Seu diâmetro é entre 30 e 40 vezes maior que o do Sol e sua massa é aproximadamente 265 vezes a da nossa estrela. Além disso, ela é relativamente jovem – tem aproximadamente 1 milhão de anos, frente aos 4,5 milhões do astro rei -, o que significa que ainda não se expandiu muito.

Quando se trata de volume, o topo da lista está ocupado pela UY Scuti, uma estrela hipergigante vermelha a aproximadamente 9,5 mil anos-luz da Terra e cujo diâmetro é 1700 vezes maior que o do Sol, segundo um estudo publicado em 2013 na revista Astronomy and Astrophysics. Para se ter uma noção da diferença em tamanho, se o Sol fosse uma cereja, a UY Scuti seria uma esfera do tamanho de um prédio de dez andares.

Mas há uma tremenda dificuldade técnica na determinação do diâmetro de estrelas distantes. Para chegar nos números, os cientistas precisam saber quanta luz uma estrela emite, algo difícil de averiguar, visto que elas parecem mais “apagadas” quando distantes e mais brilhantes quando próximas. “Além disso, hipergigantes vermelhas como a UY Scuti são comumente variáveis, o que significa que seu brilho é diferente em determinados momentos, o que nos deixa com uma margem de erro bem grande”, conta Massey.

Comparação entre o tamanho da UY Scuti e o do Sol | Crédito: Philip Park/CC by SA 3.0.
Comparação entre o tamanho da UY Scuti e o do Sol | Crédito: Philip Park/CC by SA 3.0.

E a menor?

Mas, mesmo que não seja a maior estrela do universo, o Sol também está longe de ser a menor, título que vai para a EBLM J0555-57Ab, segundo outro estudo publicado na Astronomy and Astrophysics, desta vez em 2017.

Essa pequenina é menor que o planeta Saturno e por pouco não é considerada uma estrela, já que, se possuísse uma massa menor, não seria capaz de produzir a fusão nuclear em seu centro, o que a classificaria como uma anã marrom, uma estrela fracassada.

Leia mais:

Claro que o universo é algo imensuravelmente vasto e essas estrelas são apenas as que estão em nossa vizinhança cósmica. “Nós não somos capazes de medir o tamanho de estrelas no limite oposto da nossa galáxia, muito menos das que se situam nas profundezas do universo”, explica Massey. “Isso significa que não fazemos ideia do quão massivas ou gigantescas as estrelas conseguem ser.”

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!