Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.343,24
    -1.302,71 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Quaker altera nome de marca por uso de estereótipo racista

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Close-up of Aunt Jemima brand buttermilk pancake mix in kitchen setting, San Ramon, California, November 20, 2020. (Photo by Smith Collection/Gado/Getty Images)
Close-up of Aunt Jemima brand buttermilk pancake mix in kitchen setting, San Ramon, California, November 20, 2020. (Photo by Smith Collection/Gado/Getty Images)

A fabricante americana de alimentos Quaker anunciou que vai alterar definitivamente o nome de uma de suas marcas mais tradicionais de xaropes e panquecas: a “Aunt Jemima” (ou Tia Jemima).

As informações são do portal de notícias UOL.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A mudança vem após pressão da sociedade sobre a empresa, controlada pela PepsiCo, que ainda usava em seu produto estereótipos racistas que remetem à escravidão do povo negro nos Estados Unidos.

Leia também:

O nome, Aunt Jemima, ou “tia Jemima” na tradução livre do inglês, tem origem em uma canção tradicional americana, cantada por artistas brancos que usavam maquiagem preta em seus rostos, a “black face”, para reproduzir estereótipos racistas. A primeira mulher a representar a marca, criada em 1889 como uma massa pré-preparada de panquecas, era uma ex-escrava, e todo o visual das mulheres retratadas desde então em suas embalagens reproduziam o imaginário escravista do sul dos Estados Unidos, da mulher negra como uma “cuidadora” passiva dos filhos de fazendeiros.

O novo nome será Pearl Milling Company, referência à empresa criadora da fórmula usada pela marca.

A questão do uso de estereótipos racistas no marketing é assunto não apenas nos Estados Unidos, mas no Brasil também.

Segundo uma pesquisa do Grupo Chroma veiculada no jornal especializado em mídia Meio & Mensagem, 37% dos entrevistados acreditam que a publicidade brasileira ainda é racista, e que 70% das propagandas não são genuínas quando abordam diversidade em suas peças de marketing.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube