Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,80
    -0,55 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.795,80
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    52.788,04
    -2.949,90 (-5,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.219,85
    -43,11 (-3,41%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.627,83
    +5,91 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    29.054,12
    +545,57 (+1,91%)
     
  • NASDAQ

    13.894,00
    -25,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7071
    +0,0051 (+0,08%)
     

Quais são as diferenças entre redes 1G, 2G, 3G, 4G, 5G e 6G?

André Lourenti Magalhães
·6 minuto de leitura

O acesso à internet em celulares através de dados móveis é comum com a presença das tecnologias 3G e 4G. Olhando para o passado, desde as tecnologias 2G e até 1G, é fácil notar a constante evolução desse tipo de conexão ao longo dos anos. Por outro lado, pensando em presente e futuro, o 5G já começa a ser uma realidade. Mas o que significam esses termos?

Antes de entrar em mais detalhes, há uma explicação básica para a nomenclatura: a letra "G" representa a geração da rede de internet móvel, enquanto os números indicam a evolução a cada versão. Ou seja, quanto maior o número, a tecnologia é mais avançada e mais recente. Confira, a seguir, as principais diferenças entre cada rede.

1G

A primeira geração de rede móvel sem fio foi lançada na década de 1980 para uso nos primeiros celulares. A transmissão funcionava de forma analógica, utilizando sinais de rádio para codificar o áudio, e a tecnologia era limitada a fornecer os serviços de voz entre aparelhos.

Além dessa limitação, o serviço tinha problemas de compatibilidade devido aos diferentes padrões adotados pelos países. Nos Estados Unidos e no Brasil, por exemplo, era utilizado o padrão Advanced Mobile Phone System (AMPS). Outros padrões incluíam Nordic Mobile Telephone (NMT), para países nórdicos, e o Total Access Communications Systems (TACS), aplicado no Reino Unido.

2G

A partir da segunda geração de conexão móvel, chamada de 2G, todo o funcionamento é feito de forma digital. Dessa forma, permitem várias conversas ao mesmo tempo, sem interferência entre elas. Além da transição para a criptografia digital, o 2G contou com um padrão único, chamado de Global System for Mobile Communication (GSM), o que ajudou a ampliar a sua compatibilidade.

O 2G, aplicado a partir de 1991, foi importante para distribuir serviços de voz e mensagens de texto. Havia, também, capacidade para transmissão de dados, mas de forma limitada: o pico de taxa de transferência de dados era de aproximadamente 97 Kbps. Por conta dessa funcionalidade, aparelhos mais básicos ainda possuem o acesso à conexão 2G.

Modelos mais antigos eram compatíveis com a conexão 2G/ Isaac Smith (Unsplash)
Modelos mais antigos eram compatíveis com a conexão 2G/ Isaac Smith (Unsplash)

Algumas melhorias ao padrão GSM facilitaram a transmissão de dados e o acesso à internet por celulares. As tecnologias General Packet Radio Service (GPRS) e Enhanced Data for Global Evolution (EDGE) foram fundamentais nesse processo, oferecendo maiores velocidades de transmissão – no caso do GPRS, o pico atingia uma taxa de aproximadamente 171 Kbps, enquanto o EDGE alcançava até 384kbps.

GPRS e EDGE trouxeram maior velocidade na transmissão de dados e permitiram o uso de internet por celulares, mas ainda operavam como avanços dentro da tecnologia 2G. Por isso, esses serviços foram frequentemente chamados de "2,5G" ou "2,75G", simbolizando a transição entre as gerações.

3G

O 3G, lançado em 2001, corresponde à terceira geração de conexão móvel, que consolidou o acesso e a navegação pela internet por celulares. O enfoque dos novos padrões e tecnologias foi o uso diário de serviços de internet, como a navegação em sites, redes sociais, acesso a e-mails e troca de mensagens.

O padrão utilizado foi o Universal Mobile Telecommunication System (UMTS), que auxiliou na migração do GSM para o 3G, e foi o primeiro a alcançar a marca de 2 megabits por segundo na taxa de transmissão em dispositivos parados. A implantação do 3G, no entanto, foi um processo demorado em vários países devido ao uso de um espectro de frequência diferente do 2G. A mudança de geração ampliou o acesso à internet móvel, comportando números cada vez maiores de taxas de dados.

Assim como na geração anterior, o 3G recebeu melhorias ao longo dos anos, aumentando a velocidade e a capacidade de transmitir dados móveis. A introdução da tecnologia High Speed Packet Access (HSPA) elevou o pico de downloads a 14 Mbps, enquanto a HSPA+ permitiu taxa de até 42 Mbps. Você pode notar a presença dessas tecnologias com o "H" ou "H+" exibidos em seu celular.

4G

Seguindo com a transição entre gerações, o 4G representa a quarta grande fase de tecnologias para a conexão móvel, com avanços significativos na transmissão de dados. Através do padrão Long Term Evolution (LTE), foi anunciada em 2010 e ampliou a velocidade, a capacidade de tráfego e a estabilidade do uso de internet em celulares.

O 4G possibilitou usar dados móveis para realizar serviços que, até então, eram limitados à conexão por banda larga fixa. A nova tecnologia permitiu, por exemplo, reproduzir vídeos em alta definição, jogar online e realizar de videoconferências com velocidade e estabilidade que não eram disponibilizadas no 3G. A quarta geração trouxe uma taxa de transmissão que podia atingir até 300 Mbps e é uma rede baseada em protocolo IP, o que aumenta a capacidade de usuários simultâneos.

As atualizações e melhorias na rede incluíram o LTE Advanced e o LTE Advanced-Pro, que elevaram a velocidade de conexão, construindo uma transição para a próxima geração. Essas inovações trouxeram tecnologias como o carrier aggregation, atribuindo o uso de mais de um bloco de frequência para a navegação, ampliando as taxas de transmissão.

5G

Alguns aparelhos, como o iPhone 12, já disponibilizam o acesso ao 5G (Imagem: James Yarema/Unsplash)
Alguns aparelhos, como o iPhone 12, já disponibilizam o acesso ao 5G (Imagem: James Yarema/Unsplash)

A quinta geração procura trazer mais do que aumentar a velocidade: marcará, também, a conexão sem fio para outros aparelhos. Os resultados são previstos para uso doméstico, com a ampliação do conceito de casas conectadas; e em serviços industriais, com novas possibilidades de automação e Internet das Coisas (IoT).

O 5G utiliza um padrão chamado de NR. Em termos de velocidade, estima-se que a marca dos Gigabits por segundo seja alcançada. Além disso, o 5G terá grande redução da latência, o que pode permitir atividades à distância em tempo real.

A implantação do 5G ainda está em período de testes em diversos países e passa por uma série de processos. Para o consumidor final, há um detalhe muito importante: para acessar o 5G, é necessário trocar o seu telefone celular por um aparelho compatível. O iPhone 12, lançado em 2020, é o primeiro modelo compatível da Apple. Desde o ano passado, Samsung, Motorola, Realme e Huawei também lançaram celulares compatíveis.

No Brasil, a chegada da tecnologia ainda depende do leilão das frequências disponíveis para o 5G. Em fevereiro de 2021, a Anatel divulgou o edital desse processo. O documento determina que, a partir de 31 de julho de 2022, o 5G precisa estar garantido nas capitais do país, com ampliação para outras cidades nos anos seguintes.

6G

Mesmo que o 5G ainda não seja uma realidade consolidada para as pessoas, já existem planos para o seu sucessor, o 6G. A sexta geração já está em fase de desenvolvimento, com gigantes da tecnologia engajadas em pesquisas por todo o mundo.

Na Finlândia, Nokia e MediaTek formaram uma parceria para começar a desenvolver a tecnologia. Em novembro de 2020, a China colocou em órbita o primeiro satélite 6G para pesquisas. A Samsung também entrou na disputa, divulgando um material sobre a visão da empresa sobre a geração. O documento prevê um mundo ainda mais conectado, com conexões de até 1000Gbps, foco em máquinas e ampliação de serviços de realidade estendida. A previsão de chegada é a partir de 2028.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: