Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.738,80
    -897,59 (-0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.158,81
    -336,60 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.870,00
    +29,80 (+1,62%)
     
  • BTC-USD

    34.900,01
    +500,04 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    692,01
    -8,60 (-1,23%)
     
  • S&P500

    3.859,15
    +60,24 (+1,59%)
     
  • DOW JONES

    31.229,92
    +299,40 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,24 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    13.309,00
    +323,50 (+2,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4164
    -0,0822 (-1,26%)
     

Quais países da América Latina já vacinam seus habitantes contra a COVID-19?

Fidel Forato
·5 minuto de leitura

Nesta terça-feira (29), a Argentina iniciou a vacinação contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) em seu território, sendo o quarto país da América Latina que já imuniza parte de sua população. No combate à COVID-19, o país adota a vacina russa Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, sediado em Moscou.

Na Argentina, os profissionais da saúde são os primeiros beneficiados da vacinação contra a COVID-19. Para este grupo, estão previstas as primeiras 300 mil doses do imunizante que chegaram ao país. Como a imunização completa depende de duas doses, cerca de 150 mil médicos e enfermeiros devem se beneficiar da iniciativa.

Para cobrir o país com a campanha de imunização contra a COVID-19, as vacinas foram distribuídas de acordo com a proporção da população de cada região e o número de profissionais da saúde. Dessa forma, a Província de Buenos Aires recebeu a maior parte das primeiras doses (41%), o que equivale a 123 mil doses.

Quatro países da América Latina já imunizam suas populações contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Thirdman/ Pexels)
Quatro países da América Latina já imunizam suas populações contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Thirdman/ Pexels)

Vacinas contra a COVID-19 na América Latina

Além da Argentina, México, Costa Rica e Chile já iniciaram a vacinação contra a COVID-19 na América Latina. Entre eles, o México foi o primeiro país a iniciar uma campanha de imunização na região, o que aconteceu na última quinta-feira (24). Por enquanto, os mexicanos podem contar com a vacina desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer e pela empresa de biotecnologia alemão BioNTech. Além disso, o país tem acordos comercias para a obtenção do imunizante de Oxford e da farmacêutica chinesa CanSino.

Conforme divulgado nas redes sociais do governo mexicano, a primeira cidadã de um país latino-americano a receber uma vacina contra o novo coronavírus foi a enfermeira María Irene Ramírez, de 59 anos. Na linha de frente contra o coronavírus, Ramírez chefia a unidade de terapia intensiva de um hospital na Cidade do México.

Na mesma última quinta-feira, o Chile e a Costa Rica também iniciaram suas respectivas campanhas de vacinação contra o coronavírus, a partir do imunizante desenvolvido pela Pfizer e pela BioNTech. No caso chileno, o país recebeu o primeiro lote das vacinas ainda na madrugada do dia 24 e começou, em menos de 24 horas, as imunizações contra o coronavírus. Na capital chilena, em Santigo, a profissional da saúde Zulema Riquelme, de 46 anos, foi a primeira chilena vacinada contra a COVID-19.

Para o começo de janeiro, a lista de países da América Latina que fornecem vacinas contra a COVID-19 deve aumentar, segundo os planos do Equador e da Colômbia. Isso porque as primeiras doses da vacina da Pfizer e da BioNTech devem chegar no próximo mês ao Equador. De forma semelhante, a Colômbia espera receber o primeiro lote dos imunizantes da mesma farmacêutica. No entanto, vale ressaltar que outros países também se organizam para iniciar suas campanhas quanto antes.

Brasil e a imunização contra o coronavírus

Quanto ao Brasil, ainda não existe uma data de início para a campanha de vacinação nacional contra o coronavírus. Independente disso, o Ministério da Saúde já apresentou, de forma oficial, o Plano Nacional de Imunização (PNI), onde estabelece que os primeiros vacinados devem ser os profissionais da saúde, os idosos e os indígenas.

Em paralelo, o governo do Estado de São Paulo anunciou que iniciará a vacinação contra o vírus da COVID-19 no dia 25 de janeiro. Para isso, o estado espera contar com a vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan. No entanto, ainda não existe nenhum imunizante aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) contra o coronavírus no país.

Vacinação no mundo contra a COVID-19

No mundo, mais de 40 países já iniciaram a vacinação contra a COVID-19. De forma geral, esses países adotam pelo menos uma das seguintes vacinas contra o coronavírus: imunizante da Pfizer e da BioNTech a CoronaVac a vacina da farmacêutica norte-americana Moderna, e a Sputnik V.

No ocidente, a primeira nação a aprovar um imunizante e começar sua vacinação foi o Reino Unido, no dia 8 de dezembro. Nas terras britânicas, cerca de 800 mil pessoas já receberam a primeira dose da vacina da Pfizer. Entre os vacinados, está o ator Ian McKellen, conhecido por suas interpretações do mago Gandalf na trilogia O Senhor dos Anéis, e por ser a primeira versão do mutante Magneto em X-Men.

Além do Reino Unido, os Estados Unidos, o Canadá e países da União Europeia (UE) já iniciaram suas respectivas campanhas de vacinação contra a COVID-19, enquanto China e Rússia estimam já terem vacinado um milhão e 55 mil pessoas, respectivamente. Ambos os países aprovaram, em julho e em agosto de forma emergencial, vacinas desenvolvidas com tecnologia própria para a imunização contra o coronavírus.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: