Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.027,54
    +95,06 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Quais os alimentos que mais subiram de preço em outubro?

Alimentos foram a encarecer com a alta da inflação no Brasil
Alimentos foram a encarecer com a alta da inflação no Brasil
  • Após três quedas mensais consecutivas, inflação volta a subir no Brasil;

  • Alta dos alimentos foi principal culpada pela retomada do encarecimento dos preços;

  • Dados foram divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (10).

A inflação do país voltou a subir após três meses consecutivos de queda, com uma alta de 0,59% em outubro, apontou o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Dentre as maiores altas de preço estão itens da cesta básica, como a batata e o tomate.

O IPCA mede o custo de vida da maior parte das famílias brasileiras ao observar a tendência de alta e de baixa dos preços de produtos mais consumidos por famílias que recebem de 1 a 40 salários mínimos mensais. Ele é medido pelo medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e é considerado pelo governo federal como o índice oficial de inflação do Brasil.

Nos últimos três meses houve uma baixa na inflação, muito puxada pela queda no preço do petróleo no mercado internacional, que gerou reduções no preço de venda pela Petrobras aqui no Brasil. No entanto, em outubro a inflação voltou a subir, calculou o instituto.

Dentre os principais vilões estão os produtos de Vestuário (+1,22%), Saúde e cuidados pessoais (+1,16%), Alimentação e bebidas (+0,72%) e Transportes (+0,58%). No acumulado, a inflação de 2022 chegou a 4,70%. Já nos últimos 12 meses, que mede de outubro de 2021 a outubro deste ano, a alta foi de 6,47%.

Ainda que apareça apenas em terceiro lugar, o grupo de Alimentos e bebidas teve o maior impacto na alta do mês passado, uma vez que se trata de produtos que devem ser consumidos mês a mês. O IBGE calcula que o impacto dos Alimentos tenha sido de 0,16 ponto percentual na taxa inflacionária de 0,59%, enquanto que Saúde e cuidados pessoais compõem 0,15 p.p do índice, e Transportes 0,12 p.p.

Alimentos que mais encareceram

Os maiores registros na categoria de alimentos foram:

  • batata-inglesa (23,36%);

  • tomate (17,63%);

  • cebola (9,31%);

  • frutas (3,56%);

  • biscoito (1,34%);

  • Frango em pedaços (1,17%);

  • Refeição (0,61%).

Já entre as quedas destacam-se apenas dois, o leite longa vida (-6,32%), e o óleo de soja (-2,85%).