Mercado fechado

Quais gastos cortar quando a situação financeira apertar

Colaboradores Yahoo Finanças
·3 minuto de leitura
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Por Melissa Santos

As projeções para a economia brasileira, que já não ia tão bem quanto o mercado esperava, despencaram com a chegada do novo coronavírus. Prova disso é que instituições como o BofA (Bank of America) passaram a estimar retração do PIB brasileiro para este ano. Com uma sequência de notícias nada animadoras para o mercado, os cidadãos já começam a temer pelo futuro.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

“Ninguém sabe ao certo qual vai ser o tempo de extensão das medidas de controle do coronavírus e o impacto real que elas podem causar em todos. Se a situação apertar, as pessoas podem adotar algumas medidas para reduzir gastos”, orienta Julio Duram, diretor de produto e tecnologia do Guiabolso.

Leia também

Para auxiliar as pessoas durante esse período, confira 5 gastos que podem ser cortados ou renegociados durante este período de crise.

1- Financiamentos de imóveis e veículos

Por conta da crise provocada pelo coronavírus, o CMN (Conselho Monetário Nacional) determinou que os bancos podem suspender até duas prestações de financiamento de imóveis e veículos por 60 dias, além da negociação de outras dívidas.

É necessário contatar o seu banco para verificar as regras, pois alguns necessitam que os pagamentos anteriores estejam todos em dia. “Se a crise persistir por mais tempo, não é demais propor uma conversa com o gerente do banco. Eventualmente, é possível até migrar o crédito para uma instituição que esteja com taxas de juros mais baixas, o que o mercado chama de portabilidade”, orienta Duram.

2- Aluguel

De acordo com Victor Corazza Modena, professor de Empreendedorismo e Gestão Financeira da IBE-FGV, caso a pessoa tenha tido a renda impactada pelo coronavírus, também cabe renegociar o contrato de aluguel para contribuir com a redução de custos. “O proprietário do seu imóvel deve estar preocupado com a manutenção de suas receitas, portanto, entre em contato para negociar uma redução ou carência, enquanto esta situação perdurar. Conversar e negociar é melhor do simplesmente parar de pagar.”

3- Tarifas bancárias

Um gasto que pode ser facilmente cortado e negociado são as tarifas bancárias. “No ano passado, o brasileiro gastou mais de R$ 700 para manter as contas correntes e cartões de crédito. Com tanta opção digital gratuita ou mesmo o pacote essencial do Banco Central, o consumidor pode cortar esse custo e economizar a longo prazo”, afirma Yolanda Fordelone, economista do Guiabolso.

4- Serviços mensais

Com as medidas de restrição para contribuir com a propagação do vírus, as pessoas pararam de usar alguns serviços mensais, como academia, salão de beleza e estacionamentos.

“No caso da academia, é possível tentar o congelamento do pagamento enquanto o serviço estiver fechado ou a extensão do plano. Já no caso de estacionamento mensal e de serviços de beleza é possível pedir o adiamento do pagamento ou mesmo algum desconto dado o momento”, recomenda Yolanda.

5- Contas básicas (Luz, água e energia)

Ana Rosa Vilches, diretora pedagógica e de projetos estratégicos da DSOP Educação Financeira, orienta avaliar a possibilidade de postergar o pagamento de contas básicas. “Em muitos casos serviços de energia, água e gás não serão cortados em função da crise. Portanto, pode ser uma opção para ser pensada por alguém que está passando por um momento financeiro difícil”, fala.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.