Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.781,20
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    33.983,83
    +1.352,58 (+4,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,49
    +19,16 (+2,41%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.476,23
    +166,47 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    28.904,12
    +19,99 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.289,25
    +31,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9116
    -0,0082 (-0,14%)
     

Quadrilha sequestra sócio de banco digital e pede resgate em criptomoedas

·1 minuto de leitura

A Polícia Civil de Pernambuco indiciou dez pessoas pelo 1º sequestro do país envolvendo criptomoedas como forma de pagamento pelo resgate, ocorrido em 10 de março deste ano.

O crime tinha como alvo um empresário de Recife, sócio de um banco digital que negociava entre outros ativos, o Bitcoin (BTC). Visando preservar a integridade tanto da vítima quanto dos criminosos, nenhum nome foi divulgado pela polícia.

Em entrevista cedida ao O Globo, o delegado que acompanha o caso, Paulo Berenguer, afirma que a quadrilha exigiu uma quantia absurda em criptomoedas para o resgate do empresário. Os valores foram solicitados para os sócios do banco e para os familiares da vítima.

Ainda de acordo com Berenguer, o caso só teve o conhecimento da polícia após a família realizar o pagamento. No entanto, o delegado afirma que todo o valor pago em criptomoedas será recuperado. Segundo ele, os criminosos deixaram vários rastros e todos os suspeitos já foram identificados.

Sequestro envolvendo criptomoedas

criptomoedas bitcoin crime
criptomoedas bitcoin crime

O caso chamou a atenção por ser o primeiro resgate de um sequestro físico envolvendo criptomoedas registrado no Brasil.

No país, atividades criminosas envolvendo moedas digitais estão geralmente ligadas a lavagem de dinheiro ou a ataques hackers. Diversas instituições, tanto do setor público como do setor privado, sofrem ataques virtuais por meio de ransomwares.

Esses vírus são implantados em computadores e servidores das instituições, sequestrando dados cruciais e exigindo pagamentos em criptomoedas para o resgate das informações obtidas.

Recentemente, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul e o Grupo Moura, conhecido no mercado por desenvolver baterias para automóveis, foram vítimas de organizações criminosas que operam dessa forma.

O artigo Quadrilha sequestra sócio de banco digital e pede resgate em criptomoedas foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos