Mercado abrirá em 6 h 18 min

PyTorch sai do guarda-chuva da Meta e agora é parte da Linux Foundation

Você já ouviu falar no PyTorch? Trata-se de um framework de aprendizado de máquina de alta performance criado pela Meta, que vem sendo usado por empresas de vanguarda, como Tesla e Uber em seus testes de carros autônomos. Agora, a estrutura, que é de código aberto, está indo para as mãos da mesma entidade que controla a Linux Foundation.

A nova entidade que cuidará do framework recebeu o nome de PyTorch Foundation, trata-se de uma organização sem fins lucrativos e terá a operação comandada pela Linux Foundation. No conselho de administração da nova entidade, além da própria Meta, estão outras empresas de peso, como AMD, Nvidia, Google, Amazon e Microsoft. A Tesla, de Elon Musk, está de fora por enquanto.

Pelo Facebook, o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, comentou sobre a criação da PyTorch Foundation. O executivo disse que acredita que os novos parceiros farão com que o projeto seja impulsionado e possa ir além. Outro ponto importante é a busca por tirar a pecha de que a estrutura é de propriedade da controladora do Facebook, mas de criação da empresa.

Por que mudar o PyTorch de lugar?

O programa é um dos mais populares do mundo, tendo apoiado mais de 150.000 projetos construídos no GitHub desde 2016, quando foi criado. Mas com esse sucesso todo, por que mudar? Exatamente pelo sucesso! Com mais de 2.400 colaboradores, faz sentido que o projeto saia da barra da saia da Meta e se torne cada vez mais independente.

A criação da PyTorch Foundation pode, inclusive, ser boa para a própria Meta, já que uma plataforma própria cuidando do framework elimina qualquer suspeita de conflito de interesse, como benefícios às empresas do conglomerado de Zuckerberg ou prejuízo a empresas concorrentes. Já para o sistema em si, tudo segue igual.

A plataforma continuará sendo de código aberto, terá uma marca neutra, com foco em permanecer justa e com uma forte identidade técnica. Isso não quer dizer que o PyTorch será deixado de lado pela Meta e que a empresa não usará mais o framework. "Continuaremos a investir no PyTorch e o usaremos como a estrutura principal para nossos aplicativos de pesquisa e produção de IA na empresa”, disse a empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: