Mercado fechará em 4 h 28 min

Puxado por planos, gasto das famílias com saúde cresce 65% de 2000 a 2017, aponta IBGE

Bruno Villas Bôas

O gasto com bens e serviços de saúde atingiu R$ 354,5 bilhões em 2017, segundo o instituto Puxado pelos planos de saúde, o gasto das famílias brasileiras com bens e serviços de saúde cresceu 65% de 2000 a 2017, em termos reais, atingindo R$ 354,5 bilhões em 2017, mostram dados da Conta-Satélite de Saúde, divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Bruno Glätsch/Pixabay

De acordo com o estudo, espécie de cálculo paralelo do Sistema de Contas Nacionais (SCN), as famílias gastaram R$ 231 bilhões com serviços de saúde privada em 2017, o que corresponde a 66,8% dos gastos com saúde. Essa conta inclui os planos. O restante das despesas foi com medicamentos (R$ 103,5 bilhões).

Na saúde, Brasil gasta menos que Chile e mais que Colômbia

Setor de saúde bate recorde em fusões e aquisições neste ano

Segundo Tássia Holguin, técnica da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, esse aumento das despesas das famílias com saúde não foi maior ao longo do tempo por conta da crise. Em 2017, essas despesas mostraram recuo de 0,7% em relação ao ano anterior. O impacto da recessão sobre o mercado de trabalho explica parte disso.

“Com a perda de empregos formais, a cobertura de plano de saúde cai, ao mesmo tempo que esses planos seguem sofrendo aumento de preços. Com a crise, também gastam mais com psicólogo, remédios. Na medida do possível, os gastos com remédios de doenças crônicas é mantido”, disse a técnica.

Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), as despesas das famílias com medicamentos se manteve estável entre 2010 e 2017, representando cerca de 1,5%, enquanto o consumo de serviços de saúde privados avançou de 2,5% para 3,5%.

Gasto dos governos

Os gastos dos governos (municipal, estadual e federal) com serviços de saúde privados somou R$ 43,6 bilhões em 2017, o correspondente a 17,2% do total dos gastos dos governos com saúde naquele ano (R$ 253,7 bilhões), segundo o IBGE.

De acordo com Holguin, essa proporção das despesas havia crescido de 2015 (15,7%) para 2016 (16,7%) e seguiu nessa trajetória em 2017. “Esse gasto ocorre quando o governo paga hospitais privados, inclusive em parte de Organizações Sociais”, disse ela.

Já as despesas dos governos com saúde pública somaram R$ 201,6 bilhões, o que representou 79,5% do total das despesas do governo com saúde. A fatia de 3,3% restante refere-se à aquisição de medicamentos, que somou R$ 8,4 bilhões. Esse valor não computa os benefícios da farmácia popular, que somaram R$ 2,834 bilhões em 2017.