Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.411,86
    +677,22 (+2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Putin determina que só espumante russo pode se chamar champanhe, e franceses reagem

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  14-07-2014, 11h00 Rússia Vladimir Putin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 14-07-2014, 11h00 Rússia Vladimir Putin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As casas de champanhe francesas pediram nesta segunda-feira (5) ajuda diplomática sobre uma nova lei russa que reserva o termo "champanhe" para vinhos espumantes produzidos na Rússia.

Os produtores franceses se beneficiam de uma denominação de origem controlada, que supostamente lhes dá o uso exclusivo da palavra "champanhe" nos países que aderem ao Acordo de Lisboa sobre indicações geográficas distintas.

Mas a Rússia não assinou este acordo e na sexta-feira (3) o presidente Vladimir Putin assinou uma lei que proíbe o uso da tradução russa do champanhe --shampanskoe-- em garrafas importadas.

Os produtores franceses ainda poderão usar a palavra em francês, mas também terão que escrever "vinho espumante" no verso das garrafas, uma heresia para essas marcas.

Eles "pedem aos diplomatas franceses e europeus que obtenham a emenda desta lei inaceitável", disse o Comitê de Champagne, que reúne vinicultores e produtores da região de Champagne, no nordeste da França, em um comunicado.

Denunciaram uma medida "escandalosa" que "questiona mais de 20 anos de negociações bilaterais entre a União Europeia e a Rússia sobre a proteção de denominações de origem controladas".

A Moët Henness, de propriedade do conglomerado de luxo LVMH, disse no domingo (5) que vai cumprir a lei e retomar as exportações de suas marcas, incluindo Dom Perignon, Moët & Chandon e Veuve Clicquot, "o mais rápido possível".

"A MH Champagne Maisons sempre respeitou a legislação em voga onde operou e retomará as entregas assim que possível uma vez que os ajustes forem feitos", disse a empresa, em comunicado.

Nesta terça (3), o ministro da Agricultura francês, Julien Denormandie, disse que "champanhe" é um nome que só poderia ser usado em vinhos espumantes da região homônima da França, embora outros países já tenham tentado reivindicar a denominação para si.

"Vocês podem imaginar a reação das autoridades francesas", disse Denormandie à Sud Radio.

"A palavra 'Champagne' vem daquela região linda da França em que o champanhe é produzido", continuou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos