Mercado fechado

PT quer levar Lula de jatinho para festa no sindicato após soltura

Militantes do PT comemoram a decisão do STF que pode resultar na soltura de Lula (Foto: STR/AFP via Getty Images)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Clima no partido era de ceticismo sobre decisão do STF

  • Sem planejamento prévio, PT tenta mobilizar recursos para receber o ex-presidente

Antes da conclusão do julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre prisão em segunda instância, os membros do Partido dos Trabalhadores não arriscavam qualquer empolgação. Depois de muitas expectativas frustradas, o clima era de ceticismo. Agora que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser solto, o partido se apressa para fazer os preparativos da recepção sem planejamento prévio.

Durante o julgamento, Lula recebia na Superintendência da Polícia Federal a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, o ex-sócio de Instituto Lula Paulo Okamotto e o dirigente do MST João Paulo Rodrigues. O plano dos dirigentes do PT é enviar os deputados e senadores do partido para recepcionar o ex-presidente na saída da carceragem em Curitiba assim que receberem uma confirmação da soltura de Lula.

Leia mais sobre o julgamento sobre prisões em 2ª instância no STF

Embora haja a possibilidade de a juíza responsável pela execução penal do caso, Carolina Lebbos, determinar a liberdade do petista através de uma decisão de ofício, os partidários de Lula acreditam que a Justiça pode esperar o pedido da defesa para determinar a soltura. Os advogados entraram com o pedido nesta sexta-feira (8). Por isso, a liberdade do ex-presidente ainda pode levar alguns dias.
Leia também

"Ninguém trabalha com a informação de decisão de ofício da juíza. Não vejo como Lula sair antes, é muito trâmite judicial para que a soltura seja tão rápida. Deve sair mesmo na segunda-feira", opinou à Record um quadro do partido.

A ideia do partido é que apenas os militantes do acampamento Lula Livre se juntem aos parlamentares do partido em Curitiba. Lula deve se dirigir a São Paulo o quanto antes, para uma festa no Sindicato dos Metalúrgicos, no ABC:

"Não tem a menor condição de segurança para que ele voe em avião de carreira. Se a PF não disponibilizar avião, teremos que providenciar um", comentou um parlamentar do partido.

Antes de ser preso em abril de 2018, Lula passou duas noites no sindicato. O local é o berço político do ex-presidente, e permite uma reunião rápida da militância, que já costuma se reunir ali. O sindicato também é considerado mais seguro para fazer a comemoração, já que os sindicalistas podem fazer uma triagem do público.