Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    47.318,16
    -9.483,22 (-16,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

PSOL aciona Justiça e pede suspensão de reforma da previdência de São Paulo

·1 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.11.2020 - Silvia Ferraro (51, professora), Natalia Chaves (25, tradutora), Carolina Iara (27, cientista social, mulher trans e intersexo), Paula Nunes (27, advogada) e Dafne Sena (29, motorista de aplicativo), da bancada feminista do PSOL, que ganhou uma candidatura de vereador na Câmara Municipal de São Paulo nas eleições. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2011161920662282
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.11.2020 - Silvia Ferraro (51, professora), Natalia Chaves (25, tradutora), Carolina Iara (27, cientista social, mulher trans e intersexo), Paula Nunes (27, advogada) e Dafne Sena (29, motorista de aplicativo), da bancada feminista do PSOL, que ganhou uma candidatura de vereador na Câmara Municipal de São Paulo nas eleições. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2011161920662282

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O diretório estadual do PSOL entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de São Paulo contra a reforma da previdência aprovada pela Câmara de Vereadores da capital paulista na quarta-feira (10). O partido aponta no pedido dez artigos do texto aprovado que, na visão da sigla, são inconstitucionais.

No pedido, assinado pela equipe jurídica do mandato coletivo Bancada Feminista do PSOL, o partido pede a suspensão cautelar da reforma e afirma que ela "gera resultados nocivos no mundo real" e "tem potencial de causar danos ainda maiores do que qualquer outra norma municipal".

A aprovação da reforma foi marcada por manifestações contrárias e pelo embate entre servidores e a Guarda Civil Metropolitana. Para covereadora Silvia Ferraro, a reforma é ilegal e foi aprovada de maneira "tratorada e violenta".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos