Mercado fechará em 30 mins
  • BOVESPA

    110.573,13
    -3.009,88 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.970,32
    -628,21 (-1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,02
    -0,43 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.733,40
    -18,60 (-1,06%)
     
  • BTC-USD

    41.683,41
    -1.454,95 (-3,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.027,54
    -29,60 (-2,80%)
     
  • S&P500

    4.365,38
    -77,73 (-1,75%)
     
  • DOW JONES

    34.379,26
    -490,11 (-1,41%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.848,25
    -346,50 (-2,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3432
    +0,0364 (+0,58%)
     

Psiquiatria da USP cancela debate sobre transtorno mental de presidente e médicos veem censura

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP cancelou uma reunião online nesta quinta (5), entre 10h30 e 12h, que debateria o afastamento de um presidente por transtorno mental.

A decisão gerou revolta de alunos e médicos do departamento que interpretaram o ato como censura. A chefia do departamento nega.

O evento envolveria três psiquiatras da USP: Laís Pereira Silva, palestrante, e debatedores Gustavo Bonini Castellana e Daniel Martins Barros.

Silva faria uma revisão histórica sobre o tema da saúde mental de presidentes da República. Os três não foram informados sobre os motivos do cancelamento.

Segundo a Folha de S.Paulo apurou com psiquiatras da USP, a chefia do departamento teria sido pressionada a cancelar a reunião porque a discussão poderia resvalar na saúde mental do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A justificativa é que o ato poderia gerar um processo ético no Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) porque é vetado aos médicos discutirem casos de pacientes publicamente.

Em um grupo de WhatsApp com 65 médicos contratados do Instituto de Psiquiatria da USP, a maioria considerou absurda a decisão do cancelamento.

Os psiquiatras dizem que essa reunião acontece há anos, sempre foi aberta, trata de temas gerais e nunca discutiu casos clínicos de pacientes. Dessa vez, afirmam, não seria diferente.

Não é a primeira vez que essa discussão da saúde mental do presidente vem à tona. Em março deste ano, o psiquiatra forense Guido Palomba tratou do tema em artigo publicado na Folha.

À época, porém, Palomba foi criticado por colegas psiquiatras e que viriam nas colocações do médico um desserviço aos pacientes que sofrem de transtornos mentais.

No grupo de médicos da USP foi discutida também a possibilidade de fazerem um manifesto contra o cancelamento, mas não houve consenso.

A Folha procurou o Departamento de Psiquiatria da USP, mas a assessoria de imprensa informou que os coordenadores não teriam disponibilidade para falar com a reportagem e enviaram a seguinte mensagem:

"O cancelamento da reunião geral desta quinta-feira, 05/08/2021, foi uma decisão exclusiva da chefia do Departamento de Psiquiatria da FMUSP sem qualquer influência externa. A pauta será mantida e reagendada para uma data futura".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos