Mercado fechará em 1 h 34 min
  • BOVESPA

    113.067,24
    +2.141,64 (+1,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,01
    +60,46 (+0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,38
    +0,16 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.811,10
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.967,26
    +12,85 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,81
    +1,39 (+0,35%)
     
  • S&P500

    4.058,94
    -17,63 (-0,43%)
     
  • DOW JONES

    34.321,48
    -73,53 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.964,25
    -98,50 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4855
    +0,0201 (+0,37%)
     

Prumo e TotalEnergies firmam acordo para energia eólica offshore no Porto do Açu

Logo da Total Energies em unidade da empresa na França

SÃO PAULO (Reuters) - A Prumo Logística e a petroleira francesa TotalEnergies anunciaram nesta quinta-feira a assinatura de um memorando de entendimentos para estudos visando a instalação de bases de apoio logístico no Porto do Açu (RJ) para projetos de energia eólica offshore.

Segundo as empresas, a parceria abre espaço para que a TotalEnergies prossiga com estudos de viabilidade para a implantação de parques eólicos em alto-mar com até 3 gigawatts (GW) de potência no Estado do Rio de janeiro.

A ideia é que a petroleira utilize o Porto do Açu, controlado pela Prumo, como um hub logístico em todas as fases do projeto, como base de apoio para construção, instalação e operação das eólicas.

A TotalEnergies já é um importante player nesse mercado que começa a se desenvolver agora no Brasil. Atualmente, a empresa francesa tem pedidos de licenciamento junto ao Ibama para três projetos eólicos offshore no país, com capacidade total de 9 GW.

"Como uma empresa multienergética, a expansão das atividades no segmento eólico offshore está em linha com a estratégia de alcançar a neutralidade de carbono até 2050 e com o compromisso de investir a longo prazo no país", afirmou em nota Charles Fernandes, diretor geral da TotalEnergies EP Brasil e country chair da companhia no Brasil.

Rogério Zampronha, CEO da Prumo Logística, destacou que algumas características de Açu, como sua vasta retroárea e condições de calado únicas, posicionam o porto como uma importante plataforma para o desenvolvimento de eólicas offshore.

"Além disso, estamos em fase de atração de fábricas que tenham sinergia com esse negócio", informou Zampronha, em nota.

Além da TotalEnergies, o Porto de Açu já havia anunciado em setembro uma parceria com a francesa EDF Renewables para desenvolver futuros projetos eólicos offshore e de hidrogênio verde na área do porto.

A indústria eólica offshore começou a olhar para o Brasil nos últimos anos, com o fortalecimento da agenda de transição energética, mas os empreendimentos locais ainda carecem de definições, principalmente regulatórias, para sair do papel.

Mesmo assim, o Ibama já contabiliza cerca de 170 GW de projetos offshore aguardando licenciamento, de empresas como Shell e Neoenergia.

Em outubro, o governo brasileiro publicou portarias que avançam com a regulamentação da geração de energia eólica offshore, um passo considerado importante por investidores para deslanchar seus primeiros projetos da fonte no país.

(Por Letícia Fucuchima)