Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.452,85
    +172,11 (+0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Provedora de internet pagava a traficantes para ser a única em comunidades

·1 min de leitura
Estima-se que o monopólio tenha rendido à empresa mais de R$ 1 milhão no faturamento bruto mensal
Estima-se que o monopólio tenha rendido à empresa mais de R$ 1 milhão no faturamento bruto mensal

(Getty Images)

  • Polícia Civil do Rio de Janeiro deu início, nesta quinta-feira (18), à operação "Tráfico.com"

  • Provedora de internet está sendo investigada por pagar valores semanais a traficantes

  • Objetivo era impedir que concorrentes atuassem em algumas comunidades

Uma empresa provedora de internet, cujo nome não foi revelado, está sendo investigada por supostamente pagar um valor a traficantes para ser a única a prestar serviços em algumas comunidades. A Polícia Civil do Rio de Janeiro deu início à operação “Tráfico.com” nesta quinta-feira (18).

Leia também:

De acordo com a reportagem do g1, depois que a empresa realizava o pagamento, grupos armados cortavam os cabos de companhias concorrentes e impediam os reparos. Em relatos, técnicos da Oi, Vivo e Claro revelaram que foram expulsos das comunidades dominadas sob ameaça de morte com armas de fogo. Em muitos casos, os profissionais eram chamados para resolver os problemas nos aparelhos vandalizados e queimados pelos criminosos.

Faturamento ultrapassa R$ 1 milhão

Segundo as investigações da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), a provedora prestava serviços de distribuição de internet, telefonia e TV a cabo. Para obter a tal exclusividade, pagava uma quantia semanal aos traficantes.

Estima-se que o monopólio tenha rendido à empresa mais de R$ 1 milhão no faturamento bruto mensal, por meio da obtenção de 20 mil clientes.

As denúncias apontam que a quadrilha atua a partir da Ilha do Governador, na zona norte da cidade. Dentre as comunidades afetadas, estariam as de Dendê (na ilha), do Morro do Macaco (Vila Isabel), Manoel Correa e Jardim Nautilus (Cabo Frio), Vila Tiradentes (São João de Meriti) e Jacaré (Niterói).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos