Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.853,65
    -1.557,35 (-3,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Protetores e shopping de condomínio travam batalha envolvendo colônia de gatos

Gisele Araújo
·1 minuto de leitura

RIO — Um impasse envolvendo uma colônia de cerca de 30 gatos no condomínio Rio2, em Jacarepaguá, vem tirando o sossego dos cuidadores dos animais. Segundo eles, a administração do Rio2 Shopping está dificultando a alimentação dos gatos.

— Eles retiram e jogam a comida fora, não nos deixam colocar os potes onde colocávamos. Antes, a comida ficava sempre nos cantinhos. Agora temos que esperar os gatos comerem e levar os recipientes. Também lacraram a torneira que usávamos para colocar água —afirma Natacha Valentini Ferreira, contratada há um ano pelo grupo Peludos Rio2 para alimentar e cuidar da higiene dos gatos.

Procurada, a administração do shopping disse em nota que repudia qualquer tipo de maus-tratos aos animais e que os alimentos são retirados por ficarem em sua praça de alimentação, o que contraria as normas da Vigilância Sanitária e pode atrair insetos. A medida, acrescenta, também visa a garantir o bem-estar de seus clientes.

— Eles alegam que não é permitido deixar comida na praça de alimentação, mas os potes não ficam lá dentro. Só queria que tivessem me ouvido. Não aceitaram nem sentar para conversar — diz Lucia Cavalheiro Vieira, do Peludos Rio2.

Questionada novamente, a administração se mostrou aberta a negociar: “Aproveitamos para sugerir a escolha em conjunto de um local especial e exclusivo para essas alimentações. Também podemos elaborar uma ação específica para doações e patrocínios de potes e ração, entre outros itens”.

A Secretaria municipal de Proteção e Defesa dos Animais acompanha a situação, embora a colônia de gatos do Rio2 ainda não seja registrada oficialmente.

— Autorizamos uma investigação preliminar na semana passada, que está sendo feita pela gerência do Programa de Animais Comunitários — conta o secretário Vinícius Cordeiro.