Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.909,14
    +1.442,82 (+4,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Protesto contra Bolsonaro se encerra no Rio; organização estima presença de 70 mil pessoas

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O protesto contra o governo Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro foi encerrado pouco antes das 14h, em frente à igreja da Candelária, no centro da cidade.

Antes do encerramento, os organizadores deram voz a lideranças de partidos de esquerda, como PT, PSOL, PSTU e PCdoB, que defenderam uma frente de esquerda e mais mobilização para tentar derrubar o governo.

Os organizadores afirmaram que o protesto deste sábado (19) reuniu 70 mil pessoas, mais do que a estimativa de 50 mil da manifestação de 29 de maio. A Polícia Militar do Rio não faz estimativas de público em protestos.

Para a Frente Brasil Popular, que organizou a manifestação, a grande presença de público foi uma demonstração de força da mobilização contra o governo.

Além dos partidos políticos, a manifestação reuniu centrais sindicais e movimentos sociais e estudantis. Em geral, o uso de máscaras foi respeitado, mas houve diversos pontos de aglomeração, apesar de alertas da organização pedindo que o distanciamento fosse reservado.

Embora muitos vestissem camisetas com referências ao ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, virtual candidato à eleição de 2022, as palavras de ordem puxadas tanto por organizadores quanto por participantes não mencionaram Lula, focando em críticas ao governo atual e à cobrança pela aceleração do ritmo de vacinação.

Houve muitas críticas também à privatização da Eletrobras, aprovada pelo Senado nesta quinta (17) e protestos contra a violência no Rio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos