Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,41
    -0,22 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.785,40
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    56.872,73
    +2.005,00 (+3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,27
    +51,97 (+3,70%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.320,94
    +508,31 (+1,76%)
     
  • NASDAQ

    13.518,50
    +27,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4282
    +0,0013 (+0,02%)
     

Proteína consegue impedir vírus da Covid-19 de atacar células humanas; vídeo

Lucas Soares
·1 minuto de leitura
Proteína consegue impedir vírus da Covid-19 de atacar células humanas; vídeo
Proteína consegue impedir vírus da Covid-19 de atacar células humanas; vídeo

Cientistas da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, descobriram uma proteína capaz de impedir que a proteína Spike da Covid-19 faça a ligação para invadir e se reproduzir nas células humanas.

Os pesquisadores criaram uma espécie de biblioteca, com vários tipos de lecitinas (proteínas de origem não-imunológica) e foram encontrados dois tipos capazes se ligarem aos glicanos da proteína S (Spike). Isso consegue bloquear a Spike e evitar o coronavírus no corpo humano.

Proteína S e a Covid-19

“Nossa ideia é aproveitar essa propriedade para desenvolver um medicamento para combater a covid-19. As lectinas ocupariam locais nevrálgicos diretamente na proteína S e, assim, interromperiam a ligação do patógeno às células. Já que a porta estaria bloqueada, porque a chave está entupida de lectinas”, explicou Josef Penninger, um dos líderes do estudo.

Leia mais!

Além disso, os pesquisadores estão confiantes que o método da proteína pode funcionar também contra variantes da Covid-19. “Agora temos ferramentas à disposição que podem ligar a camada protetora do vírus e, assim, bloquear a entrada do vírus nas células. Além disso, esses pontos são comuns em todas as variantes circulantes do vírus, então este pode ser calcanhar de Aquiles do SARS-CoV-2”, disse Stefan Mereiter, da Universidade de Viena.

Até então não haviam sido encontrados outros meios de se ligar na proteína S para evitar a infecção por Covid-19. Os modelos analisados mostravam a Spike bastante fechada. “Vimos que ele realmente se abre nas superfícies e que os três braços são dinâmicos. As lectinas, por outro lado, conseguiram se prender à estrutura por muito tempo em escala biológica”, disse Peter Hinterdorfer, da Universidade de Linz.

O vídeo abaixo mostra a ação das lectinas na proteína S.

Via BioRxiv