Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.919,90
    +1.632,16 (+5,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Proteção de vacinas de mRNA pode ser melhor que a gerada pela COVID, diz estudo

·4 minuto de leitura

Para combater a transmissão do coronavírus SARS-CoV-2, autoridades de todo o mundo investem na vacinação, em massa, das populações. Isso porque as vacinas são, comprovadamente, seguras e eficazes. No entanto, pouco se sabe sobre a diferença entre a imunidade desencadeada pelos imunizantes e obtida após a recuperação de um caso da COVID-19.

Segundo pesquisa norte-americana, desenvolvida por cientistas da University of Washington e do Fred Hutchinson Cancer Research Center, a proteção produzida pelas vacinas de RNA mensageiro (mRNA) pode ser mais eficaz contra as novas variantes do coronavírus do que a proteção natural, obtida após a recuperação de um caso da COVID-19. O estudo foi publicado na revista Science.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Sobre o estudo comparativo das imunidades, a infectologista e vice-presidente do Sabin Vaccine Institute, Denise Garrett, comentou, em suas redes sociais, que a descoberta reforça a importância da vacinação contra a COVID-19. "Estudo com vacinas (mRNA) mostra que imunidade gerada por vacinas reconhece melhor e responde mais às novas variantes que a imunidade por infecção natural. Já teve COVID-19? Vacine-se assim mesmo. Pelo menos para novas variantes, a proteção vacinal é melhor", escreveu a médica.

Imunidade desencadeada por vacinas pode ser mais eficaz contra novas variantes do que a produzida pelo corpo após infecção (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)
Imunidade desencadeada por vacinas pode ser mais eficaz contra novas variantes do que a produzida pelo corpo após infecção (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)

Vale lembrar que existem duas principais vacinas de mRNA sendo usadas no combate à pandemia da COVID-19: a fórmula da farmacêutica norte-americana Moderna; e o imunizante da farmacêutica norte-americana Pfizer e da empresa de biotecnologia alemã BioNTech.

Diferentes proteções contra os coronavírus

Segundo a equipe de pesquisadores norte-americanos, os resultados do estudo sugerem que a imunidade após infecção fornece, sim, proteção contra infecções futuras e possíveis casos graves desencadeados pelas novas variantes. "Entretanto, se o SARS-CoV-2 for semelhante a outros coronavírus humanos, então, no mínimo, a proteção contra a reinfecção será eventualmente erodida [diminuída] pela evolução viral", aponta o grupo, no artigo.

Na pesquisa, foi possível observar as diferenças na especificidade de anticorpos adquiridos tanto em casos de infecção pelo coronavírus quanto após a vacinação. Para isso, os cientistas observaram amostras do sangue de pacientes que foram imunizados com a fórmula da Moderna, com idades entre 18 e 55 anos. Estas pessoas participaram dos ensaios clínicos da vacina. Os dados desses voluntários foram comparados com pessoas que contraíram a doença.

Entendendo os resultados

Para entender: as vacinas contra o coronavírus ensinam o organismo humano a combater estruturas presentes na proteína S (spike), da membrana viral. Este é o "espinho" do agente infeccioso e é usado para invadir as células saudáveis. Nesse local, está presente o domínio de ligação ao receptor (RBD), ou seja, o exato alvo dessas vacinas.

Estudo investiga as diferentes respostas imunológicas aprendidas contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Swiftsciencewriting/Pixabay)
Estudo investiga as diferentes respostas imunológicas aprendidas contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Swiftsciencewriting/Pixabay)

Segundo os pesquisadores, a vacina de mRNA desencadeou uma atividade neutralizante que é mais direcionada ao RBD do que aquela imunidade induzida pela infecção. Dentro do RBD, a ligação dos anticorpos induzidos pela vacina foi mais amplamente distribuída entre os epítopos — partes do antígeno que reúnem elementos que favorecem o reconhecimento de regiões específicas dos anticorpos — em comparação com os anticorpos induzidos pela infecção. "Esta ligação mais ampla torna a neutralização por soros de vacina mais resistente a mutações dentro do RBD", afirmam.

"Esta maior amplitude de ligação significa que mutações únicas de RBD têm menos impacto na neutralização por soros de vacina em comparação com soros convalescentes. Portanto, a imunidade de anticorpos adquirida por infecção natural ou diferentes modos de vacinação pode ter uma suscetibilidade diferente à erosão pela evolução do SARS-CoV-2", completam os autores.

Quanto às limitações do estudo, os autores destacam a diferença de idade entre os participantes de cada grupo de análise."Os indivíduos vacinados em nosso estudo eram relativamente jovens (18–55 anos) e saudáveis, enquanto os indivíduos convalescentes eram mais velhos (23–76 anos, mediana de 56) com uma variedade de comorbidades", declaram.

Para acessar o estudo completo sobre a eficácia das vacinas para promover a imunidade comparada com a proteção desencadeada pela infecção do coronavírus, publicado na revista Science, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos