Mercado fechará em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    101.032,16
    -227,59 (-0,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.349,40
    -358,32 (-0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,48
    -1,37 (-3,44%)
     
  • OURO

    1.906,80
    +1,60 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    13.104,81
    +27,79 (+0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,89
    -1,52 (-0,58%)
     
  • S&P500

    3.392,83
    -72,56 (-2,09%)
     
  • DOW JONES

    27.638,10
    -697,47 (-2,46%)
     
  • FTSE

    5.804,11
    -56,17 (-0,96%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.503,50
    -160,00 (-1,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6442
    -0,0197 (-0,30%)
     

Proteção de bancos centrais contra default é limitada, diz Pimco

Tasos Vossos
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A Pacific Investment Management faz um alerta a investidores de crédito: os bancos centrais não podem fazer muito para protegê-los de perdas, se a onda de empréstimos corporativos impulsionada pela pandemia disparar a inadimplência.

Empresas acumulam dívidas quando também enfrentam a pressão da transição para modelos de negócios digitais e ecológicos, bem como o impacto da pandemia, disse Joachim Fels, consultor econômico global da Pimco, em resposta a perguntas da Bloomberg News após apresentar o cenário secular de outubro da gestora de ativos.

Investidores precisam ter em mente que bancos centrais são sujeitos a limites em termos do que podem fazer para a proteção contra o possível aumento da inadimplência, disse.

“Com a dívida corporativa muito maior agora e a transição do físico para o digital e do ‘marrom' para o verde criando muitos perdedores, podemos estar a caminho de um ciclo de default”, disse Fels, que assessora a Pimco, com US$ 1,92 trilhão em ativos sob gestão. “Os bancos centrais não podem proteger os investidores da inadimplência” e da redução no valor recuperável de ativos.

O Federal Reserve dos EUA e o Banco Central Europeu injetaram uma escala sem precedentes de estímulo na economia ao comprar um total combinado de US$ 76,4 bilhões em títulos desde março para apoiar o mercado de crédito durante a turbulência do coronavírus.

Isso efetivamente criou um universo de duas camadas para dívida corporativa com uma classe elegível para ajuda de bancos centrais e uma categoria não elegível mais exposta a potenciais choques.

Fels disse acreditar que os bancos centrais “muito provavelmente aumentarão” as compras de ativos se a pandemia afetar ainda mais o processo de recuperação econômica. Isso criaria uma barreira para detentores do crédito com grau de investimento, que tem sido o foco dos programas corporativos de flexibilização quantitativa anunciados no início deste ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.