Mercado fechará em 2 h 57 min
  • BOVESPA

    114.588,81
    -1.078,97 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.382,70
    +231,32 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,50
    +0,28 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.778,60
    -19,30 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    50.683,00
    +896,67 (+1,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,28
    +19,62 (+1,97%)
     
  • S&P500

    3.864,38
    -61,05 (-1,56%)
     
  • DOW JONES

    31.618,53
    -343,33 (-1,07%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.035,25
    -266,75 (-2,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7209
    +0,1504 (+2,29%)
     

Prorrogação de lockdown visa deter mutação da Covid, diz Merkel

·1 minuto de leitura
Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, durante entrevista coletiva em Berlim

BERLIM (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu nesta quinta-feira a decisão de prorrogar um lockdown rígido em duas semanas, ou até meados de fevereiro, dizendo que ele é necessário para frear uma variante nova e mais agressiva do coronavírus.

Falando em uma coletiva de imprensa, Merkel disse que, embora a diminuição de infecções novas indique que as restrições estão dando resultado, seria um erro amenizá-las, já que a mutação foi identificada na Alemanha.

"Nossos esforços enfrentam uma ameaça, e esta ameaça está mais clara agora do que no início do ano, e ela é a mutação do vírus", explicou Merkel.

"As descobertas mostram que o vírus alterado é muito mais infeccioso do que aquele que tivemos durante um ano, e esta é uma das principais razões do aumento agressivo de infecções na Inglaterra e na Irlanda."

Merkel disse que a mutação ainda não é predominante em seu país e que só uma abordagem cautelosa pode evitar um aumento agressivo nas novas infecções diárias causadas pela nova variante, identificada primeiro na Inglaterra.

A Alemanha, que está em lockdown desde o começo de novembro, relatou mais de mil mortes e mais de 20 mil infecções novas nesta quinta-feira. Dois dias antes, Merkel e líderes estaduais concordaram em prorrogar um lockdown rígido que mantém escolas, restaurantes e todos os negócios não-essenciais fechados até 14 de fevereiro.

A chanceler disse que as vacinas podem ser adaptadas para novas variantes do vírus e que seu país deve conseguir vacinar todos até o final do verão local.

(Por Thomas Escritt e Riham Alkousaa)