Mercado fechado

Ecorodovias e Pátria entregam propostas para disputar 'Pipa'

Taís Hirata

Concessão rodoviária promete ser a maior já assinada no país até hoje Dois grupos apresentaram nesta quarta-feira proposta para o leilão do corredor rodoviário de Piracicaba-Panorama (ou “Pipa”, como ficou conhecido no mercado): a gestora Pátria e a Ecorodovias.

Os envelopes foram entregues nesta manhã, na sede da B3, em São Paulo. A abertura das ofertas será feita logo após a análise dos documentos. O vencedor da concorrência será aquele oferecer ao governo paulista o maior valor de outorga fixa, sendo o mínimo R$ 15 milhões.

Existe ainda a possibilidade de disputa por viva-voz entre os concorrentes, caso haja propostas com intervalo menor que R$ 15 milhões em relação à oferta de maior valor. A concessão rodoviária promete ser a maior já assinada no país até hoje.

O contrato, de 30 anos, prevê investimentos de R$ 14 bilhões nos cerca de 1.273 quilômetros contemplados no lote. Além da outorga fixa, o grupo terá que pagar uma outorga variável ao longo do contrato, definido em 7% da receita bruta da concessionária. O valor deverá ser pago a partir do 13º mês, após a assinatura do contrato.

Entre analistas do setor que acompanharam os preparativos para o leilão, já era esperado que a disputa ficasse entre grandes operadores com experiência no mercado, principalmente devido à extensão da concessão e ao alto volume de investimentos exigidos.

Uma surpresa entre os presentes na sede da B3, onde ocorre a sessão pública, foi a ausência da Arteris. Isso porque uma parte das rodovias que compõem o corredor estão atualmente sob a concessão da Centrovias, um contrato da Arteris que está próximo ao vencimento. A companhia era considerada uma das favoritas. A CCR é outro grupo que chegou a estudar uma oferta pelo ativo, mas acabou não fazendo proposta.