Mercado abrirá em 5 h 13 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,11
    +0,82 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.760,90
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    43.126,80
    -1.683,48 (-3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.080,69
    -53,70 (-4,73%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.962,60
    +58,69 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    24.262,05
    +162,91 (+0,68%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.106,00
    +96,50 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2897
    +0,0450 (+0,72%)
     

Proposta do voto impresso pode ser levado para votação em plenário, diz Lira

·1 minuto de leitura
Presidente da Câmara, Arthur Lira

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quinta-feira que a proposta que adota o voto impresso para as urnas eletrônicas pode ser levado para votação diretamente pelo plenário da Casa se a comissão especial que trata do tema ultrapassar as 40 sessões da Câmara sem conseguir aprovar o relatório, ou mesmo se ele for rejeitado.

"As comissões especiais não são terminativas, são opinativas, então sugerem o texto, mas qualquer recurso ao plenário pode ser feito", disse Lira, segundo a Agência Câmara de Notícias.

A proposta --uma das principais bandeiras do presidente Jair Bolsonaro-- deve ir à votação na tarde desta quinta pela comissão.

Apesar do apoio de Bolsonaro e de aliados dele na Câmara, a tendência é que o texto que vinha sendo discutido seja rejeitado pelo colegiado.

Bolsonaro tem elevado o tom dos ataques ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, por se opor à mudança no atual sistema de votação. Ele se tornou alvo de investigação no TSE e no Supremo Tribunal Federal por levantar suspeitas sem provas sobre as urnas eletrônicas e chegou a ameaçar que pode não haver pleito no próximo ano.

Na tentativa de garantir apoio ao projeto, o relator da proposta do voto impresso e aliado de Bolsonaro, deputado Filipe Barros (PSL-PR), apresentou na quarta uma nova versão da matéria.

Entre outras sugestões de modificação, segundo a Agência Câmara, Barros prevê a contagem pública e manual dos votos.

(Redação Brasília)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos