Mercado abrirá em 48 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,15
    -1,24 (-3,32%)
     
  • OURO

    1.878,50
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    13.115,89
    -47,50 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,10
    -13,59 (-4,98%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.600,67
    +17,87 (+0,32%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.237,00
    +104,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7183
    -0,0161 (-0,24%)
     

Proposta de estímulo da Casa Branca supera US$1,5 tri com US$20 bi para aéreas

·1 minuto de leitura

(Reuters) - O governo dos Estados Unidos propôs a inclusão de uma extensão de 20 bilhões de dólares na ajuda para a indústria aérea em uma nova proposta de estímulo para os democratas da Câmara no valor de mais de 1,5 trilhão de dólares, disse na quarta-feira o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows.

"Há 20 bilhões de dólares na mais recente proposta para as áreas que lhes dariam seis meses de extensão", disse Meadows a repórteres a bordo do Air Force One, destacando que a o setor precisa urgentemente de suporte.

American Airlines e United Airlines, duas das maiores aéreas dos EUA, disseram que iriam iniciar a concessão de licenças a mais de 32 trabalhadores na quinta-feira uma vez que acabavam as esperanças de um resgate de última hora por Washington.

As aéreas norte-americanas vinham pedindo outros 25 bilhões de dólares em auxílio a pagamento de salários para proteger empregos por mais seis meses depois que o pacote atual, que proíbe licenças, venceu.

Meadows se recusou a fornecer o valor total da última proposta da Casa Branca, mas disse que o dado fica "certamente acima da marca de 1,5 trilhão que foi articulada até agora".

(Reportagem de Alexandra Alper em Washington)