Mercado fechará em 2 h 34 min
  • BOVESPA

    100.710,54
    +2.038,28 (+2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.179,52
    +438,02 (+0,92%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,06
    +2,44 (+2,27%)
     
  • OURO

    1.826,00
    -4,30 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    20.751,05
    -546,85 (-2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,39
    -9,40 (-2,04%)
     
  • S&P500

    3.906,98
    -4,76 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    31.485,36
    -15,32 (-0,05%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.086,75
    -53,75 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5273
    -0,0251 (-0,45%)
     

Propaganda da China tem alta classificação no Google e YouTube, diz estudo

Segundo estudo, propaganda da China tem alta classificação no Google e YouTube. Foto REUTERS/Arnd Wiegmann.
Segundo estudo, propaganda da China tem alta classificação no Google e YouTube. Foto REUTERS/Arnd Wiegmann.
  • Mecanismos de busca do Google e do YouTube oferecem grande visibilidade a conteúdos de veículos estatais chineses, diz estudo;

  • As fontes estatais da China também conseguem altas classificações de busca sobre temas controversos no Microsoft Bing;

  • Pesquisadores conduziram o estudo com termos ao longo do período de 120 dias.

Os mecanismos de busca do Google e do YouTube oferecem grande visibilidade a conteúdos dos veículos de propaganda do Estado chinês quando são relacionados à questões políticas polêmicas, como negações de abusos de mulçumanos na região de Xijiang e teorias de conspiração sobre a origem do coronavírus. A informação é do novo estudo publicado na última sexta-feira (27) pelo Brookings Institute e pela Alliance for Securing Democracy.

Segundo o texto, as fontes estatais chinesas também conseguem altas classificações de busca na ferramenta de pesquisas Microsoft Bing quando os termos envolvem temas controversos.

Leia também:

Pesquisas por notícias no Google e Bing sobre sobre a região chinesa de ‘Xinjiang’ apresentaram uma fonte apoiada pelo Estado chinês entre os 10 primeiros resultados em 88% das buscas.

Enquanto isso, no YouTube, pesquisas sobre a região mostraram um vídeo apoiado estatalmente também nos 10 principais resultados. O estudo dos termos foi realizado ao longo do período de 120 dias.

Entre os resultados, meios de comunicação estatais da China também empurram teorias de que a pandemia de Covid-19 foi originada em um laboratório militar nos Estados Unidos.

“O Google trabalha ativamente para combater operações coordenadas de influência e censura, ao mesmo tempo em que protege o acesso à informação e a liberdade de expressão online”, afirmou um representante da companhia ao jornal norte-americano The New York Post.

As informações são do The New York Post e The Wall Street Journal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos