Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.536,64
    +405,23 (+1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    -6,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Propaganda antivacina se espalha na Ásia e põe milhões em perigo

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Embora Gerry Casida esteja na lista de prioridades para uma vacina grátis contra a Covid-19 nas Filipinas por causa de sua asma, ele não está planejando tomar o imunizante tão cedo. Um vídeo que ele encontrou nas redes sociais de uma mulher alegando que vacinas estão sendo usadas para genocídio ajuda a explicar o porquê desse comportamento.

“Eu li muitos posts no Facebook sobre quantos morreram em outros países por causa de vacinas e como isso está sendo escondido”, disse o trabalhador de construção civil, 43, de Manila. “Minha mãe também consultou um curandeiro popular, que disse que as vacinas podem afetar meu coração.”

Milhões de pessoas como Casida em alguns dos piores pontos de acesso da Covid no sudeste da Ásia estão atrasando a imunização ou apenas dizendo não, influenciados pela desinformação nas redes sociais de fontes locais e de movimentos antivacinação nos EUA. Essas falsas alegações estão alimentando a hesitação pela vacina em alguns bolsões da região, minando os esforços para inumizar algumas das pessoas mais vulneráveis da Ásia e acabar com uma pandemia que paralisou a economia global.

Nas Filipinas, 68% das pessoas estão relutantes ou não estão dispostas a tomar a vacina, de acordo com dados da empresa de pesquisas Social Weather Stations. Um terço dos tailandeses têm dúvidas ou se recusam a se vacinar, de acordo com a Suan Dusit Poll, enquanto uma outra pesquisa separada na Indonésia mostrou que quase um quinto da população estava hesitante.

A propaganda antivacinação é um grande motivo para essa relutância, que desacelerou ainda mais a aceitação em países que já lutam com fornecimento limitado. Menos de 10% da população da Tailândia e das Filipinas recebeu pelo menos uma dose de vacina.

Um país fortemente católico, as Filipinas são particularmente vulneráveis a propagadas de fake news online por grupos cristãos evangélicos dos Estados Unidos, que se infiltram nas redes religiosas e das famílias. Entre muitos grupos de discussão do Facebook focados em teorias antivacinação pesquisadas pela Bloomberg News, um vídeo no idioma filipino local afirmou que as doses contra a Covid marcarão as pessoas com a “marca da besta”, aludindo ao Anticristo de doutrinas religiosas. O vídeo já teve mais de mil visualizações.

Um outro vídeo, em inglês, com centenas de visualizações, diz que a vacina torna os receptores magnéticos. Na Malásia, a desinformação que varia de riscos exagerados à vida e aos órgãos do corpo até alterações genéticas também está se espalhando no Facebook e WhatsApp.

Outras teorias de conspiração populares que estão sendo vendidas em plataformas sociais em toda a região incluem a alegação de que microchips em vacinas contra a Covid-19 estão sendo usados para coletar dados biométricos.

A resistência está desafiando governos interessados em ter até 80% de suas populações protegidas contra o patógeno mortal. Quase todos os países do Sudeste Asiático estão lutando contra uma tempestade perfeita: surtos causados por variantes mais transmissíveis; vacinação retardada por causa da escassez depois que as nações ricas dominaram os estoques; e o isolamento global. Dentro do ranking de resiliência da Covid da Bloomberg, que rastreia como as 53 maiores economias do mundo estão lidando com a crise, esses países estão agora entre os dez piores.

Outros lugares estão adotando uma abordagem mais peculiar para encorajar a vacinação. Um distrito no norte da Tailândia começou a rifar vacas em meados de junho como incentivo. Na Indonésia rural, residentes vacinados ganharam galinhas.

Educar as pessoas e até mesmo os médicos é a melhor ferramenta para combater a hesitação, disse Leong Hoe Nam, médico infectologista do Hospital Mount Elizabeth Novena de Cingapura.

“A maior arma que o vírus tem contra os humanos é a hesitação sobre a vacina, e a segunda é a falta de uma resposta mundial coordenada”, disse ele. Diante delas, “os seres humanos falharam miseravelmente e o vírus está ganhando”.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos